'Existo!': peça infantil propõe discussões poéticas sobre o que é ser menino e o que é ser menina


Foto - Fellipe Oliveira

Vencedor do Prêmio APCA de melhor espetáculo com a temática de identidade de gênero

'Existo!', da Cia La Leche, tinha uma ampla agenda de apresentações presenciais agendadas para 2020 que foi interrompida por conta da pandemia do novo coronavírus. O público que não pôde prestigiar a peça, tem a oportunidade de assisti-la em uma versão inédita a partir do dia 03 de abril, sábado, às 11h, pelo canal de Youtube do grupo (clique aqui).

Com direção de Cris Lozano e dramaturgia de Alessandro Hernandez, 'Existo!' é uma alegoria sobre a liberdade que todas as pessoas deveriam ter, mesmo que isso contrarie os padrões sociais - especialmente os que nos definem apenas como homens e mulheres.

Na obra, Alessandro interpreta Luan, menino que mora em uma torre à espera do momento de poder sair e descobrir o mundo que conhece apenas pela janela - seu maior desejo é compartilhar momentos de diversão com meninos e meninas que vê em uma escola.

Foto - Cacá Diniz

Enquanto aguarda por esse momento - que chegará quando uma jabuticabeira estiver amadurecida, carregada de frutos - Luan exerce sua liberdade neste espaço fechado na companhia de sua mãe, que apesar de alimentar suas ambições, fica constrangida com os questionamentos do garoto, como a decisão de usar vestido ou mesmo de se transformar em uma menina.

Animais que conversam com Luan durante seu período de isolamento também colaboram com o tom fabular da peça. Tanto a mãe como os bichos são interpretados por Ana Paula Lopez, atriz da Cia que participou do processo criativo e colaborou na preparação corporal do espetáculo.

"Antes da pandemia, fizemos uma série de sessões para escolas seguidas por um debate com as crianças. É impressionante como o lugar do preconceito habita muito mais o imaginário dos adultos", conta Alessandro Hernandez sobre as experiências de trocas com espectadores que devem ser potencializadas com as sessões online, que alcançam um número maior de pessoas.

Foto - Cacá Diniz

O artista reforça que, a princípio, o texto contaria a história de uma criança transexual, mas o caminho tomado para a peça foi outro. "Era muito mais potente abordarmos os questionamentos, e não a transexualidade em si", conta o dramaturgo.

Segundo ele, esse recurso fez com que os assuntos da peça se tornassem mais amplos e proporcionassem mais diálogos possíveis sobre gênero e sobre o que é lido hoje em dia como masculino e feminino.

"Luan - Hoje eu vi cores no céu. Era uma faixa imensa. Você demorou e agora não tem mais nada. O céu voltou a ficar azul.
Mãe - O arco-íris não costuma demorar muito. Ele vem e vai embora rapidinho. Você fez um pedido pra ele?
Luan - Ele estava longe. Bem em cima do povoado. Olhei ele rapidinho e voltei correndo pra cá.
Mãe - Da próxima vez faça um pedido. Um arco-íris traz sorte.
Luan - Deu vontade de alcançar ele com as mãos e escorregar até lá, junto de todo mundo, mas eles são tão estranhos.
Mãe - Quem?
Luan - Aqueles olhos que vivem no povoado. Toda vez que eu apareço na janela, eles apontam pra cá.
Mãe - Impressão sua. Eles estão longe. Bobagem!
Luan - Mas parece que eles não gostam de me ver.
Trecho da peça 'Existo!'"

Sinopse
Luan observa o mundo pela janela da torre onde mora e recebe visitas de bichos, não frequenta a escola e aprende tudo com sua mãe. Em meio a esses encontros, espera o momento em que as jabuticabas crescerão e estará pronto para sair de casa. Diante do mundo real e de seu imaginário, Luan coloca em questão as normas que definem as diferenças entre ser menina e ser menino.

Foto - Fellipe Oliveira

Ficha técnica
Existo!
Direção - Cris Lozano
Dramaturgia - Alessandro Hernandez
Elenco - Alessandro Hernandez e Ana Paula Lopez
Cenografia e Figurinos - Eliseu Weide
Iluminação - Grissel Piguillem
Trilha Sonora - Morris Picciotto
Produção - Cia La Leche

Serviço
Existo!
Temporada - de 03 a 18 de abril - sábados e domingos
Horário - 11h
Duração - 45 minutos
Local - YouTube da Companhia La Leche aqui
Grátis
Classificação - recomendado para crianças a partir de 7 anos

Postar um comentário

0 Comentários