Segunda Guerra Mundial: a Resistência precisa ser lembrada!

Mulheres e criança prisioneiras no campo de concentração de Auschwitz na Polônia

Todos os dias pelo menos um judeu, um negro ou um homossexual se lembra das atrocidades do passado, e com isso do que foi o Holocausto. Isso Jamais deve ser esquecido, mas devemos lembrar também de quem foi resistente

Ao escrever um livro sobre a Segunda Guerra Mundial, Rodrigo Trespach não deixou de lembrar do lado glorioso da história: a resistência. A sua abordagem na obra 'Personagens do Terceiro Reich', publicada pela Editora 106, inovadora e pouco usada no Brasil, apresenta a trajetória e a intimidade de importantes personalidades que de alguma forma participaram para que um dos momentos mais sombrios da Alemanha acontecesse, e terminasse.

Para endossar um discurso necessário, de que existem pessoas do lado do bem em qualquer guerra, por pior que ela seja, vamos relembrar ou conhecer aqueles que deixaram sua marca na história lutando e se posicionando contra um dos maiores absurdos da humanidade.

Pastor Dietrich Bonhoeffer
Falou publicamente sobre a necessidade de exposição e articulou várias tentativas de derrubar o ditador. Tentou trazer mais força aos opositores a partir de uma viagem à Inglaterra, mas sem sucesso. Tentou ferrenhamente propostas de paz, e até atentou contra vida de Hitler em Stauffenberg, mas seu final foi ser enforcado, nu e com as mãos amarradas.

Bispo Clemens von Galen
Uma das vozes mais fortes contra o Führer dentro da igreja católica. Criticou abertamente muitas práticas do nazismo, pregou incansavelmente contra o assassinato de pessoas com deficiência mental e física, a desumanidade e a barbárie, até Hitler ser obrigado a desistir do programa, pelo menos, oficialmente.

Rosa Branca
Movimento estudantil liderado pelos irmãos Scholl. Distribuíram milhares de panfletos arriscando as próprias vidas, sendo guilhotinados pela coragem.

Wilhelm Canaris
Chefe da Abwehr (nome do serviço de informação do exército alemão, ativo de 1920 a 1945), mas não se engane, foi desta forma que conseguiu sabotar o Serviço Secreto Alemão e manter os aliados informados dos planos nazistas. Além disso, permitiu a fuga de judeus alemães. Foi humilhado, espancado e executado a mando de Hitler.

Stauffenberg (à esquerda) em Rastenburg em 15 de Julho de 1944. No centro Adolf Hitler. Stauffenberg já levava as bombas consigo. Mas decidiu não detoná-las naquele momento. Foto/Fonte - Wikipédia

Claus von Stauffenberg
Depois de muitas tentativas que não deram certo, ele mesmo decidiu colocar uma bomba na mesa de mapas do Führer, na temida Toca do Lobo, que provocou algumas queimaduras e arranhões em Hitler. No fim, foi preso e fuzilado.

Esse foram os nomes mais conhecidos da resistência. A bravura de enfrentar, ou apenas de se opor a um governo como o de Hitler, era desafiador e suicida. Precisamos lembrar também essa parte da história, para sempre encorajar os que são oprimidos.

Ficha técnica
Personagens do Terceiro Reich: a história dos principais nomes do nazismo e da Alemanha na Segunda Guerra Mundial
Autor - Rodrigo Trespach
Editora - 106 Biografias
Páginas - 240
Preço - 54,90
Para mais informações e comprar clique aqui

Acha esse assunto interessante? Sim? Então, leia também:
Agora e antes: a história do nazismo no Brasil

Postar um comentário

0 Comentários