Empenas Femininas: fachadas (empenas) de prédios no Minhocão recebem projeções durante a Virada Cultural

Foto - Divulgação

Com concepção da diretora Eliana Monteiro, o Empenas Femininas tem imagens projetadas durante a madrugada, em fachadas (empenas) no entorno do Minhocão, nos dias 12 e 13 de dezembro, durante a 16ª Virada Cultural

Para discutir as relações de invisibilidade, de sobrecarga e de desigualdade de poder femininas - agora em tons mais fortes por conta da pandemia - a artista Eliana Monteiro, diretora do Teatro da Vertigem, concebeu o Empenas Femininas, projeto que abrigará performances próprias e de outras artistas durante a 16ª edição da Virada Cultural de São Paulo, que este ano acontece de forma virtual e presencial nos dias 12 e 13 de dezembro.

“Há décadas mulheres lutam pelos seus direitos, para saírem dos soterramentos a que foram submetidas. Este projeto é uma insurreição feminista que sinaliza a inversão de valores do patriarcado, em que vítima se torna ré - evidenciado em caso recente de estupro veiculado na imprensa”. Eliana Monteiro.

As obras serão estampadas em seis fachadas (empenas) de prédios no entorno do Elevado João Goulart - Minhocão, próximo à Rua da Consolação, e serão formadas por imagens que retratam mulheres - suas imagens, frases e performances.

As projeções acontecerão entre meia-noite e seis da manhã - horário que as mulheres geralmente não podem existir fora de suas casas, já que a sociedade impõe este “toque de recolher” para não correrem o perigo da violência. Será possível também acompanhar a transmissão no canal do YouTube do projeto 'Mulheres em Quarentena'.

As imagens que compõem as projeções do Empenas Femininas são:

Resultante Peso
São imagens das performances de mulheres muito acima do peso, as que ‘não cabem em lugar nenhum’, figuras femininas gordas performando apesar de seu peso corporal. A ideia é que essas projeções sejam monumentos, ainda que temporários, erguido às mulheres gordas, àquelas que a sociedade considera fora de um padrão estético. Este projeto tem curadoria de Bruna Menezes e Danielle Meireles.

Mulheres em Quarentena
É um canal no YouTube, mantido pela diretora Eliana Monteiro e por Bruna Lessa, que exibe o resultado das pesquisas sobre a mulher nesse período pandêmico e de extrema sobrecarga às mulheres.

E o que Restou do Barro Silenciou a Mulher

Foto - Léo Monteiro 

Ação inédita, traz seis performers de várias idades, regiões, etnias e condições sociais, a partir de suas próprias casas, com as cabeças cobertas por argila, recebendo pingos de água constantes, fazendo com que essa “máscara” se desmanche durante a performance, que dura quatro horas. Dos seis artistas, quatro estarão em um galpão, na Zona Norte de São Paulo, outro em João Pessoa (PB) e outro em Manaus (AM). Essas imagens, em tempo real, serão projetadas nas empenas. Esse projeto tem concepção de Eliana Monteiro, curadoria de Bruna Lessa e dramaturgia de Lucienne Guedes.

Insuflação de uma morte crônica

Foto - Cacá Bernardes

É a performance idealizada e realizada por Bruna Lessa, que durante 14 dias encheu 100 mil bexigas pretas - dentro de seu apartamento - como metáfora dos 100 mil mortos pela pandemia. Foram milhares de bexigas cheias de ar dos pulmões, ícone de órgão humano que a pandemia debilitou. Essa performance deu origem a um vídeo de cerca de 10 minutos, que vai ocupar também as empenas do entorno do Minhocão na Virada Cultural. Este projeto tem concepção de Bruna Lessa.

Serviço
Empenas Femininas na 16ª Virada Cultural
Data - projeções a partir meia-noite do dia 12 de dezembro (sábado) até 06h do dia 13 de dezembro (domingo)
Local - fachadas de prédios no entorno do Elevado Presidente João Goulart (Minhocão) em São Paulo
Grátis

Postar um comentário

0 Comentários