Plágio e Fake News: você verifica a origem do que lê?


Por Larissa Priscila Bredow Hilgemberg*

O plágio consiste em utilizar as palavras, ideias e produção conceitual de outra pessoa sem a devida referência, ou seja, é roubar a produção intelectual de alguém. Portanto, trata-se de um crime federal, categorizado no Art. 184 do Código Penal como um Crime de Violação aos Direitos Autorais.

As fake News também estão em vias de ser consideradas um ato criminoso, com projeto de lei já aprovado pelo Senado (projeto de lei 2.630/2020). Por definição, as fake news dizem respeito ao compartilhamento de notícias falsas tidas como verdadeiras com diferentes intenções.

Com relação ao plágio, apesar de ser mais discutido no meio acadêmico, é mais comum de ser encontrado também no meio artístico, com cópias de músicas, livros, histórias e estórias. Inclusive, há um termo para o plágio nas redes sociais como o Twitter, Facebook e Instagram chamado kibagem. Uma página ou perfil “kiba” quando utiliza (ou remixa) um meme, uma história, foto ou vídeo como sendo de sua autoria, quando, na verdade, é de outra página ou perfil. A kibagem é muito mais comum do que imaginamos e prejudica aqueles que necessitam das mídias profissionalmente.

Mas qual a relação entre plágio e fake news?

Tanto o plágio quanto as fake news são problemas sociais antigos e se emaranham nas notícias, textos, imagens e leituras que consumimos no cotidiano. São tantas informações nos bombardeando todos os dias que aceitamos aquilo que lemos e passamos para a próxima notícia, muitas vezes sem uma análise ou averiguação do conteúdo. Assim, damos por verdade tanto a notícia quanto a sua origem e autoria, acreditando e compartilhando mentiras ou produções roubadas.

Não é sem razão que os dois problemas citados passaram a ser discutidos no meio jurídico e considerados crimes. As mentiras que rodeiam o plágio e as notícias falsas prejudicam os autores das notícias verdadeiras e das obras originais e, sobretudo, prejudicam nossa leitura de mundo, nosso olhar crítico em relação à sociedade, cultura e política, prejudicam as relações sociais e humanas.

Em tempos de informações vindo em alta velocidade e em grande fluxo, com a notícia a dois ou três cliques de distância, precisamos escolher o que vamos consumir, dar mais valor à qualidade do que à quantidade, buscando verificar se o que estamos lendo é verídico e reconhecendo os verdadeiros autores.

Na Bíblia, como diz o apóstolo João, “conhecereis a verdade e a verdade os libertará” (João, 8:32). A verdade também nos liberta de plágios e notícias falsas em nosso dia a dia como leitores e cidadãos.

*Larissa Priscila Bredow Hilgemberg, especialista em Educação Corporativa e Docência EAD, professora da área de Linguagens Cultural e Corporal do Centro Universitário Internacional Uninter.

Postar um comentário

0 Comentários