08 de março: São Paulo tem programação especial para celebrar as lutas femininas

Funmilayo. Foto - Louie Martins


Afrobeat com orquestra de mulheres negras na Fábrica de Cultura Capão Redondo, lançamento do 1º trabalho solo de Mariana Per na Casa das Rosas, e Bloco Desculpa Qualquer Coisa na Oficina Cultural Alfredo Volpi são alguns dos destaques

A população das zonas leste, oeste, norte e sul de São Paulo, além de Diadema, encontram vasta programação para o Dia Internacional da Mulher. Quem passar pela Oficina Cultural Alfredo Volpi, pelo museu Casa das Rosas e Fábricas de Cultura, equipamentos gerenciados pela Poiesis e da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, encontrará apresentações musicais, rodas de conversa sobre legislação e saúde da mulher, slam, artes visuais e muito mais.

Em Itaquera, a Oficina Cultural Alfredo Volpi recebe o Bloco Desculpa qualquer coisa e o Samba das Pretas no dia 07 de março, a partir das 15h e 16h, respectivamente. O Bloco em questão promove espaço para as mulheres LBT (lésbicas, bissexuais e transexuais) a fim de colaborar no protagonismo delas por meio da arte em ambiente seguro e que, na prática, consigam exercitar a liberdade dos seus corpos.

O Samba das Pretas, grupo formado mulheres e moradoras do bairro Cidade Tiradentes, trabalham o samba como símbolo de resistência aos problemas sociais, com destaque aqueles que as mulheres pretas enfrentam na rotina, no recorte de raça, classe e desigualdade de gênero.

Na região centro-sul e também no dia 07 de março, às 15h, ocorre o Expresso Poesia: o stand-up poético da Casa das Rosas com apresentação de Jarid Arraes, uma das principais representantes da literatura contemporânea, cordelista, poeta, e autora de livros como “Redemoinho em dia quente” (premiado na categoria Contos pelo APCA 2019/Literatura), “Um buraco com meu nome” e “As Lendas de Dandara”.

Bloco Desculpa Qualquer Coisa. Foto - Divulgação

Ainda no museu, o curso As Mulheres nas literaturas africanas de autoria feminina: entre silenciamento e transgressão inicia no dia 07, com o nigeriano Issaka Mainassara Bano, mestre em Educação e Ciência Sociais pela Faculdade de Educação da Unicamp e coordenador do coletivo Raízes São Paulo, e com a senegalesa Providence Bampoky, formada em Letras Português/Francês pela Universidade Cheikh Anta Diop de Dakar e mestre em Teoria e Estudos Literários pela UNESP.

Esse curso traz um panorama a partir de obras selecionadas da literatura africana feita por mulheres, com análise voltada à personagem feminina sob a perspectiva da crítica feminista e buscará entender como ela é descrita em torno de questões como a violência, o abuso, a poligamia, a prostituição e o abandono. Entre as obras estão Une si longue lettre, de Mariama Bâ e A mulher de pés descalços, de Scholastique Mukasonga. A inscrição está aberta.

No dia 08 de março é a vez da musicista, atriz, produtora cultural e contadora de histórias Mariana Per na Casa das Rosas, às 15h, quando lançará seu primeiro disco intitulado “Salmos, Axés e Aleluias”. Nessa obra, a multiartista reúne composições da escritora Conceição Evaristo musicadas por Renato Gama com um estilo dançante e moderno. Mariana Per também faz parte do coletivo 3Áfricas, o qual tem espetáculos que valorizam a representatividade negra entre o público infantil, e dos grupos Orquestra Profunda de Delicadeza e Morabeza Nação.

Slam das Minas. Foto - Renata Armelin

O Slam das Minas, que realizou suas primeiras apresentações na Casa das Rosas, volta ao museu no dia 14, a partir das 19h. Como o grupo de mulheres surgiu em março de 2016, a atividades também será uma forma de celebrar o aniversário de quatro anos, além de cumprir o objetivo de abrir um espaço de acolhimento para as vozes das minas, monas e manas.

Mwana N’gola em testamunho de uma vida ativa do feminino. Foto - Divulgação

Quem mora ou estiver passando pelo ABC paulista, encontra na Fábrica de Cultura Diadema o bate-papo e contação de histórias O testemunho de uma vida ativa do feminino no dia 05 de março, das 19h30 às 21h, com a contadora de história Mwana N’gola.

No histórico das sociedades africanas, as mulheres desempenharam um papel central na tomada de decisões que afetam a vida social de uma comunidade, com vozes que eram respeitadas e ensinamentos transmitidos de geração a geração, com alguns deles preservados até hoje. Por isso, a atividade mostrará o papel das mulheres na história da libertação do continente africano, com destaque para duas personalidades: Nzinga Mbande (Angola), rainha Nzinga que lutou contra o comércio de negros escravizados feito por Portugal, e Nana Ya Asantewaa (Gana), rainha que resistiu ao colonialismo britânico.

Pela zona norte, na Fábrica de Cultura Brasilândia, a equipe da UBS Jardim Vista Alegre realiza bate-papo sobre a anatomia e saúde genital da mulher no dia 10/03, das 10h às 11h30. Será uma boa oportunidade para as pessoas presentes tirarem dúvidas sobre o próprio corpo, afinal informação é poder e torna experiências mais seguras, sem deixar de lado a qualidade de vida e autoestima.

As mulheres nas literaturas africanas na Casa das Rosas. Foto - Divulgação

Você já ouviu falar da lei nº 11.340, mais conhecida como Lei Maria da Penha? Para proteger a mulher da violência doméstica e familiar, essa lei existe há 13 anos. O objetivo do bate-papo Lei Maria da Penha, com a equipe do Centro de Atendimento à Mulher - Casa Brasilândia, é falar do histórico dessa de lei e como ela funciona, no dia 12/03, às 15h. Compartilhamento de informações como essas são válidas diante de um cenário como o nosso, em que o Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídio (mulheres mortas por serem mulheres) do mundo, 4,8 assassinatos desse tipo para cada 100 mil mulheres, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), além de um levantamento do Conselho Nacional do Ministério Público, entre 2015 e 2017, mostrando que a cada três horas é aberto um inquérito policial para investigar casos de feminicídio, sendo 234 deles a cada mês.

Para quem estiver pela zona sul, pode aproveitar a BiblioDoc da biblioteca da Fábrica de Cultura Jardim São Luís exibe o documentário “Mulheres Periféricas - Apoiadas por mais de 500 mil manas", feito pelo coletivo Fala Guerreira!. No dia 13 de março, às 14h30, o público poderá se aproximar das falas e vivências de mulheres de várias gerações que vivem nas bordas de São Paulo, e como resistem em territórios de conflitos, de ausências, de projeções e de sonhos.

Reverberando a celebração do Dia Internacional da Mulher, 08 de março, pela região norte, a Fábrica de Cultura Jaçanã promove a Mulher Artista Fest no dia 21, das 12h30 às 18h30, em conjunto com a produtora May´s World Productions. O festival busca evidenciar a figura feminina em diferentes linguagens artísticas com espaço para a troca de experiências, com a seguinte programação: - “Diálogos de Mulher” - espaço para discussão e ampliação do universo feminino com temas ligados ao empoderamento feminino e universo trans; - “Muito Mais Que Pinta e Borda” - live paint e bate-papo com artistas plásticas, graffiteiras e artesãs sobre como o graffiti e o artesanato podem trabalhar questões de identidade e do universo da mulher empreendedora com a grafiteira Caroline Luz e a artista plástica Gisele Fagundes; - “Música Por Elas” - apresentações musicais em diferentes estilos e de mulheres, entre elas, Guiomar Araújo e DaviDariloco, Lenny Fyah e MaySistah, Kaylane PCD, Kakau França, União Rasta feat Denise d’ Paula, DJ Naná Roots, Gabi Nyarai, Abigail e Pagu.

A Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha celebra também o Dia Mundial da/do DJ, dia 09 de março, com uma oficina de disc jockey aplicada pela DJ Miria Alves em 24/03, a partir das 17h30, e exclusivamente para mulheres. A atividade TPM - Todas Podem Mixar visa o empoderamento feminino por meio da música e com base na cultura hip-hop, com apresentação dos equipamentos de DJ, práticas básicas da mixagem, estrutura e estilos musicais.

Festival Mulheres do Samba. Foto - Divulgação

Voltando à zona sul, uma boa pedida é uma série de atividade coordenada pela Funmilayo Afrobeat Orquestra, coletivo de afrobeat formado inteiramente por mulheres negras, que acontecerá na Fábrica de Cultura Capão Redondo no dia 25 de março. Às 14h30 o coletivo dá início à Oficina de Afrobeat, estilo musical criado na Nigéria, com o multi-instrumentista Fela Kuti como um dos precursores do gênero. A instrumentalização em claves, xequerê e outros de percussão será exercitada com apoio de AfroJu Rodrigues (percussão), Sthe Araujo (percussão) e Pricila Hilário (bateria), integrantes do coletivo.

Em seguida, às 19h, será o pocket-show da Funmilayo Afrobeat Orquestra, o qual no próprio nome homenageia Funmilayo Anikulapo-Kuti, professora e uma das ativistas mais importantes da Nigéria, ao liderar a luta das mulheres por liberdade, pelo direito ao voto e por justiça social, além de mãe de Fela Kuti. Em formato de uma big band com ritmos, corais festivos, de percussão africana e de diversas influências, principalmente pela música yorubá, jazz e funk norte-americano, a Orquestra tem um caráter contestador, com músicas autorais e de Sandra Izsadore, cantora e ativista norte-americana, além de evidenciar a luta de mulheres negras em diferentes contextos. A programação voltada ao Afrobeat encerra às 20h, quando o coletivo organiza uma roda de conversa com o público para debater sobre esse gênero musical, como vem sendo produzido e expandido pelas mulheres.

A seguir, as datas e horários de cada atividade. Vale ressaltar que toda a programação é gratuita.


Serviço

Oficina Cultural Alfredo Volpi
Endreço -Rua Américo Salvador Novelli, 416 - Itaquera - São Paulo
Informações 11 2205-5180 e 11 2056-5028 ou clique aqui

Bloco Desculpa Qualquer Coisa
Data - 07 de março - sábado

Horário - 15h

Classificação - livre

Samba das Pretas
Data - 07 de março - sábado
Horário - 16h
Classificação - livre

Casa das Rosas
Endereço - Avenida Paulista, 37 - Bela Vista - São Paulo
Informações 11 3285-6986 e 3288-9447 ou clique aqui

Expresso Poesia: O Stand-Up Poético da Casa das Rosas
Com Jarid Arraes
Data - 07 de março - sábado
Horário - das 15h às 15h30
Classificação - livre

As Mulheres nas literaturas africanas de autoria feminina: silenciamento e transgressão
Curso com Issaka Mainassara Bano e Providence Bampoky
Datas - 07, 14, 21 e 28/3 - sábados
Horário - das 10h30 às 12h30
Vagas - 40
Inscrição aberta pelo link aqui até 06 de março
Confirmar a inscrição também frequentando a primeira aula. Caso falte na primeira aula sem justificativa prévia (que pode ser feita por meio do e-mail aqui), implicará o desligamento automático da pessoa inscrita.
Classificação - livre

Mariana Per. Foto - Claudio Pepper

Mariana Per - Show de lançamento de seu 1º disco 'Salmos, Axés e Aleluias'
Data - 08 de março - domingo
Horário - 15h
Classificação - livre

Slam das Minas
Data - 14 de março - sábado
Horário - das 19h às 21h
Classificação - livre

Fábrica de Cultura Diadema
Endereço - Rua Vereador Gustavo Sonnewend Netto, 135 - Centro - Diadema
Mais informações 11 4061-3180

O Testemunho de Uma Vida Ativa do Feminino
Com a contadora de história Mwana N’gola
Data - 05 de março - quinta-feira
Horário - das 19h30 às 21h
Classificação - livre

Fábrica de Cultura Brasilândia
Endereço - Av. General Penha Brasil, 2508
Mais informações 11 3859-2300

Anatomia e Saúde Genital da Mulher
Com equipe da UBS Jardim Vista Alegre
Data - 10 de março - terça-feira
Horário - 10h às 11h30
Classificação - livre

Lei Maria da Penha
Data - 12 de março - quinta-feira
Horário - 15h às 16h30
Classificação - livre

Por que 08 de março é o Dia Internacional da Mulher?
Data - 25 de março - quarta-feira
Horário - 19h30 às 20h30
Classificação - livre

Saiba o motivo do dia 08 de março ser reconhecido como o Dia Internacional da Mulher em um aulão aberto com a professora Christiane Mazza.

Fábrica de Cultura Jardim São Luís
Endereço - Rua Antônio Ramos Rosa, 651 - São Paulo
Mais informações 11 5510-5530

Festival Mulheres do Samba - Especial Vó Suzana e Convidadas
Data - 12 de março - quinta-feira
Horário - das 20h às 21h30
Classificação - livre

O Festival é comandado pela compositora e intérprete Vó Suzana, do renomado Samba da Vela, e é aberto para mulheres de diversas comunidades para celebrar a arte e a resistência das mulheres. Vó Suzana do alto de seus 80 anos, é uma artista também reconhecida nos terreiros de samba da zona sul paulistana e lançou seu 1º CD em 2019, gravado no estúdio da Fábrica de Cultural Jardim São Luís.

BiblioDoc - “Mulheres Periféricas - Apoiadas Por Mais de 500 mil Manas"
Com a equipe da biblioteca
Documentário | 2017 | 29min.
Autoria - coletivo Fala Guerreira!
Data - 13 de março - sexta-feira
Horário - 14h30
Vagas - 30
Não é necessária inscrição prévia
Classificação - livre

Fábrica de Cultura Jaçanã
Endereço - Rua Raimundo Eduardo da Silva, 138 | Rua Albuquerque de Almeida, 360 - São Paulo
Mais informações 11 2249-8010

Foto - Divulgação

De Carolinas a J. K. Rowlings
Com a equipe da biblioteca
Data - 17 de março - terça-feira
Horário - 10h
Vagas - 15
Não é necessária inscrição prévia
Classificação - 10 anos

Que tal conhecer ou rever as escritoras femininas espalhadas pela biblioteca? Obras de Carolina Maria de Jesus (Diário de Bitita e Quarto de despejo: O diário de uma favelada), Conceição Evaristo (Insubmissas Lágrimas de Mulheres), J. K. Rowling (série de livros Harry Potter) e muito mais. ENa sequência, acontece a produção de um caderno que será confeccionado pelos participantes para destacar as escritoras mulheres, ao mesmo tempo em que incentiva a escrita pessoal dos presentes.

Mulher Artista Fest
Data - 21 de março -domingo
Classificação - das 12h30 às 18h30
Classificação - livre

Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha
Endereço - Rua Franklin do Amaral, 1575 - São Paulo
Mais informações 11 2233-9270

Foto - Divulgação

TPM - Todas Podem Mixar - VNC
Data - 24 de março - terça-feira
Horário - das 17h30 às 21h30
Vagas - 25 - somente para mulheres
Inscrição - pessoalmente na recepção da unidade ou pelo telefone 11 2233-9270
Classificação - maiores de 16 anos

Fábrica de Cultura Capão Redondo
Endereço - Rua Bacia de São Francisco, s/n
Mais informações 11 5822-5240

Oficina, Pocket-Show e roda de conversa sobre Afrobeat
Com Funmilayo Afrobeat Orquestra

Datas
Oficina - 25 de março - quarta-feira
Horário - das 14h30 às 16h30
Vagas - 20 vagas
Inscrição presencial na recepção da unidade, ou pelo telefone 11 5822-5240
Classificação - a partir de 14 anos

Pocket show ´25 de março - quarta-feira
Horário - das 19h às 19h50
Classificação - livre

Roda de conversa - 25 de março - quarta-feira
Horário - das 20h às 21h
Classificação - livre

Ficha Técnica
Funmilayo Afrobeat Orquestra:

AfroJu Rodrigues - percussionista

Ana Goes - saxofonista e vocalista
Bruna Duarte - baixista
Jasper - guitarrista e vocalista
Larissa Oliveira - trompetista
Priscila Hilário - baterista
Rosa Couto - vocalista e toca bloco sonoro
Stela Nesrine - saxofonista e vocalista
Sthe Araújo - percussionista
Suka Figueiredo - saxofonista
Tamiris Silveira - tecladista
Vanessa Soares - dançarina e produtora

Mulheres Emergentes

Ziza, artista visual com ampla atuação no graffiti e do Jardim Pery Alto, comanda a atividade.


Foto - Divulgação

Você conhece uma grafiteira no seu bairro? Não? Então venha conhecer as artistas que movimentam a arte urbana em São Paulo e pelo mundo. Também em comemoração ao dia 27 de março - Dia do Graffiti em São Paulo, será desenvolvido uma apresentação e conversa para a trajetória de algumas artistas negras nesse segmento. Além disso, uma vivência coletiva com a técnica do lambe-lambe e do estêncil, com o objetivo de criar um mural evidenciando as histórias dessas mulheres.

Vagas - 20
Classificação - a  partir de 10 anos

Datas, Horários e Locais
17 de março - terça-feira - das 14h às 16h - Biblioteca da Fábrica de Cultura Jaçanã

18 de março - quarta-feira - das 14h às 16h - Biblioteca da Fábrica de Cultura Jardim São Luís
19 de março - quinta-feira - das 14h às 16h - Biblioteca da Fábrica de Cultura Diadema
20 de março - sexta-feira - das 14h às 16h - Biblioteca da Fábrica de Cultura Capão Redondo
24 de março -  terça-feira - das 14h às 16h - Biblioteca da Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha
25 de março - quarta-feira - das 14h às 16h - Biblioteca da Fábrica de Cultura Brasilândia

Postar um comentário

0 Comentários