Quem me Ama, me Segue! estreia nos cinemas brasileiros


Longa do cineasta e roteirista José Alcala (Coup d'éclat) e estrelado por Daniel Auteuil ("As Confissões", "A Filha do Pai" e "A Garota Sobre a Ponte") e Catherine Frot ("O Reencontro", "Marguerite" e "Os Sabores do Palácio"), chegará aos cinemas brasileiros no dia 06 de fevereiro

No filme, Gilbert e Simone formam casal de aposentados, vivendo uma rotina agitada em uma aldeia no sul da França. A partida de do vizinho Étienne (amante de Simone), a falta de dinheiro, e, especialmente o fato de seu marido ser rabugento o tempo todo, levam Simone a simplesmente ir embora. Desnorteado, Gilbert percebe que está pronto para fazer qualquer coisa para ter sua esposa, seu grande amor, de volta.

Assista ao trailer e, na sequência, confira entrevista com o diretor José Alcala, onde ele revela como escolheu o elenco, a ideia para realizar o filme, entre outros que tais.



De onde você tirou a ideia de 'Quem me Ama, me Segue!'?

José Alcala - Eu tenho uma casa em uma pequena vila no sul da França. Nos arredores, há um posto de serviço fechado há muito tempo e, logo atrás, uma casa que sempre está à venda. Pertence a aposentados, pessoas simples que tentaram de tudo para melhorar sua aposentadoria. Eles até tentaram fazer pizza, mas não funcionou. A ideia do filme começou a partir daí: falar sobre as pessoas que têm aposentadoria insuficiente para se sustentar, mas que, apesar de tudo, não perderam o desejo de viver.

'Quem me Ama, me Segue!' é um filme atual, mesmo que evoque uma geração que inventou, em 1968, os ideais de liberdade e fraternidade, e que tinha algo maravilhoso para transmitir. Mas não houve uma evolução, uma atualização desses conceitos em suas vidas, em parte, por causa deles mesmos. Hoje, eles são vistos como responsáveis por todos os excessos consumistas, mas lamentam suas ilusões perdidas, tentando, apesar de tudo, seguir adiante. Mesmo que esse afundamento da sociedade não seja o tema do meu filme, ele corre, o tempo todo, em paralelo.

Parece longe da sua história do triângulo amoroso.

Alcala - Nem tanto. Quando encontramos personagens, geralmente temos as bases de um cenário. Lembro-me de “Por Que Não?”, de Coline Serreau, que conta, com uma audácia silenciosa e poética, o bem oleado cotidiano de uma casa com três. Daqui alguns anos, os personagens deste filme terão a idade dos meus três aposentados. Eu queria reescrever uma história de triângulo amoroso. Macio, forte, fraterno. Em 'Quem me Ama, me Segue!' os dois homens são elos fracos. É a mulher quem é seu soberano. Ela amava a aparência deles. É ela quem continua carregando suas ilusões e seus sonhos perdidos.


Gilbert, o taciturno, anima sua vida cotidiana fazendo esculturas de cores diferentes; Étienne, o cuidador gente-fina, foge solitário em corridas de bicicleta mirabolantes, Simone colocou a filosofia no centro de sua vida. Por que você lhes deu personalidades de artistas?

Alcala - Nos anos 1970, a cultura estava presente em todas as camadas da sociedade, trabalhadores ou burgueses, muitos tinham uma cultura visceral inata - no sentido figurado da palavra - aquilo que dá sensibilidade, humanidade, fantasia e uma verdadeira visão da vida. É com essa cultura que eu alimentei meus três personagens. E, além disso, todos nós carregamos em nós uma parte do sonho, expressa por Gilbert em seus monstros feitos de lixo.

Quando Gilbert está conduzindo seu caminhão de reboque, é como se toda uma parte de sua vida estivesse desmoronando. Ele está no terraço decorado por suas estátuas. Sem a presença deles, a cena provavelmente não teria a mesma poesia.

Personagens realmente encarnados, reais, vivos, uma atmosfera solar, provençal... Olhando para o seu filme, não podemos deixar de pensar em Pagnol.

Alcala - Marcel Pagnol abalou minha infância. Então, inevitavelmente, ele está presente nos meus diálogos! Algumas são mesmo referências diretas ao filme “A Mulher do Padeiro”. Só que no meu filme não é um padeiro que corre atrás de sua esposa, é um mecânico!

Você escreve pensando nos atores?

Alcala - Em geral, nunca, mas, para este filme, aconteceu um pouco diferente, porque, desde que trabalhamos em ‘Coup d'Éclat’, em 2011, eu realmente queria trabalhar novamente com Catherine Frot. Então, escrevi Simone, não para ela, porque me proibi de fazê-lo, mas sonhei com ela no papel.

Quanto ao personagem de Gilbert, quando Nicolas Blanc e Robert Guédiguian leram o primeiro esboço do meu roteiro, eles imediatamente pensaram em Daniel Auteuil, que era meu sonho secreto para o personagem. Para Étienne, foi Catherine quem me indicou o nome de Bernard Le Coq. Eu não o conhecia antes. Nossa conexão foi imediata, como foi entre eles três já na primeira leitura.

O que o atraiu para Bernard Le Coq?

Alcala - Além da pessoa bonita que ele é no nível humano, a fantasia dele me seduziu imediatamente. Eu imediatamente o imaginei como nunca havíamos visto, com um rabo de cavalo e sem óculos. Como eu gosto de andar de bicicleta, pedi para ele fazer isso. Bernard afundou com uma facilidade louca no Étienne que eu havia imaginado, um ciclista legal e amigável, pulsante e vivo.


Você já conhecia Daniel Auteuil?

Alcala - Não, mas eu sonhava em trabalhar com ele. Não vou me alongar nos elogios comuns: todo mundo sabe que grande ator ele é. Quando o vi pela primeira vez, fomos passear por Ile Saint-Louis. Eu disse a ele que gostaria de falar sobre a abordagem de Gilbert. Ele então ficou na minha frente e disse: "Mas ele anda assim, Gilbert!”, e ele esboçou alguns passos. Incrível, foi isso, exatamente isso! Ele sorriu para mim: "Foi o que você escreveu, confie no seu texto". No dia das provas de figurino, ele chegou, como eu havia pedido, com barba de três dias, bigode e cabelos bagunçados. Vestiu jeans usados, uma velha camisa xadrez. Ele já era Gilbert.

E Catherine Frot?

Alcala - Catherine é um cérebro, uma construtora. Ela gosta de concentrar coisas nela e liberá-las no momento das filmagens. Para este filme, trabalhamos juntos por cerca de um ano. Nos víamos a cada duas semanas. Estávamos conversando sobre Simone. Nós estávamos procurando por ela. Catherine me alimentou, eu lhe dei pistas. Nós estávamos conversando. É o deleite de uma mulher, a felicidade de uma atriz. Mesmo que pensemos que é complexo, é muito simples. Catherine gosta de experimentar todas as cores de um papel. Ela é uma trabalhadora incansável.

A espontaneidade dos atores é sentida na maneira como eles têm que viver seu personagem. São simples, naturais, avançam em linha reta.

Alcala - O psicologismo me insulta. Maneirismo também. Neste filme, eu queria ficar plano, com personagens que olham o mundo dia a dia, encaram-no sem se esconder, sem contar mentiras. São pessoas teimosas que se dão bem com o que são e o que têm, que nunca desistem. Eles caem e sempre se levantam. Isto é especialmente verdade para Gilbert, que não para de quebrar a cara. Mesmo muito mal, ele segue adiante. Enquanto estivermos acordados, estamos vivos!

Você escolheu três atores que têm três maneiras diferentes de trabalhar. Por que você acha que eles funcionaram tão bem?

Alcala - Graças à sinceridade deles. A sinceridade com que eles deram carne ao seu personagem. No set, eles sempre se olharam, sempre atuaram juntos. A vontade de trabalhar, a capacidade de ouvir que eles ofereceram ao filme agregou a todos nós. Esta produção foi abençoada, com eles e com todos os outros atores.

Como você descreveria 'Quem me Ama, me Segue!'?

Alcala - O filme é sobre amor, ternura, amizade inabalável. Está passando porque esses sentimentos são fortes e que, para persistirem, você precisa de força de vontade, tolerância. E meus personagens têm muita, mesmo porque, apesar de seus gritos, diferenças e fugas, eles permanecem inseparáveis. QUEM ME AMA, ME SEGUE! poderia ser comparado a um romance sentimental que teria inflexões na comédia italiana.


Ficha técnica
Quem me Ama, me Segue!
França | 2019 | Comédia/Drama | 95 minutos
Título Original - Qui m'aime me suive!
Direção - José Alcala
Elenco - Daniel Auteuil, Catherine Frot, Bernard Le Coq, Solam Dejean-Lacréole, Vanessa Paric, Diouc Koma, India Hair, Olivier Loustau

Postar um comentário

0 Comentários