'Descartes com Lentes' faz duas apresentações em Sampa

Foto - Elenize Dezgeniski

Texto anticolonial de Paulo Leminski encenado pela companhia brasileira de teatro, fará duas sessões no Teatro Cacilda Becker

O exercício cênico Descartes com Lentes, criado pela companhia brasileira de teatro em 2009, traz à cena um conto do escritor Paulo Leminski interpretado por Nadja Naira e dirigido por Marcio Abreu, um dos criadores da cia. As duas sessões em São Paulo estão agendadas para dias 08 e 09 de fevereiro, sábado, às 21h, e domingo, 19h, no Teatro Cacilda Becker.

No texto, Leminski imagina uma hipotética vinda do filósofo francês René Descartes ao Brasil a convite do conde Maurício de Nassau. Junto com sua comitiva, repleta de cientistas, naturalistas, desenhistas e pintores, Descartes tenta desvendar e descrever as excentricidades e belezas do país tropical, ou seja, procura filosofar sobre o Brasil e o modo de vida do seu povo.

Descartes com Lentes é um conto escrito por Leminski em sua juventude e é também uma estrutura embrionária do que viria a ser Catatau, uma de suas obras-primas. “O texto é carregado de referências a outras línguas brasileiras, neologismos e uma poética de invenção que torna sua leitura algo essencial nos dias de hoje, já que o Brasil fica posto em primeiro plano como uma potência criativa e fundadora”, diz Marcio Abreu.

A vinda fictícia do filósofo René Descartes ao nordeste no Brasil no período que essa região foi invadida pela Holanda tensiona a ideia de que a Europa é a raiz do pensamento humano, já que o filósofo se vê tomado pelas novas perspectivas vislumbradas no Brasil. “Ele não consegue pensar a partir das referências que tinha antes - os pensares e saberes locais o devoram e o convencem”, conta o diretor.

A adaptação cênica da companhia brasileira de teatro faz parte de uma série de estudos que foram realizados acerca da obra do poeta curitibano. Marcio complementa que, durante esse processo, a oralidade proposta pelo texto de Leminski ganhou total sentido quando vivida pelo corpo da atriz Nadja Naira.

Foto - Elenize Dezgeniski
Sobre a companhia

A companhia brasileira de teatro é um coletivo de artistas de várias regiões do país fundada pelo dramaturgo e diretor Marcio Abreu em 2000, em Curitiba, onde mantém sua sede num prédio antigo do centro histórico. Sua pesquisa é voltada sobretudo para a criação contemporânea.

Entre suas principais realizações, peças com dramaturgia própria, escritas em processos colaborativos e simultâneos à criação dos espetáculos, como “Preto” (2017), “Projeto Brasil” (2015), “Vida” (2010), “O que eu gostaria de dizer” (2008), “Volta ao dia...” (2002).

Há ainda uma série de criações a partir da obra de autores inéditos no país: “Krum” (2015), de Hanock Levin; “Esta Criança” (2012), de Joël Pommerat; “Isso te interessa?” (2011), a partir do texto “Bon, Saint-Cloud”, de Noëlle Renaude; “Oxigênio” (2010), de Ivan Viripaev.

A companhia realiza frequentes intercâmbios com outros artistas no país e no exterior. Estreou na França em 2014 o espetáculo “Nus, ferozes e antropófagos” em parceira com o coletivo francês Jakart. Mantém um repertório ativo e que circula com frequência. Recebeu os principais prêmios das artes no país.

Foto - Elenize Dezgeniski
Ficha técnica
Texto - Paulo Leminski
Direção - Marcio Abreu
Elenco - Nadja Naira
Operador de luz - Henrique Linhares
Operador de som - Cássia Damasceno
Direção de produção - José Maria
Produção Executiva e Administração - Cássia Damasceno
Criação, Realização e Produção - companhia brasileira de teatro

Serviço
Descartes com Lentes
Data - 08 e 09 de fevereiro
Local - Teatro Municipal Cacilda Becker
Endereço - Rua Tito, 295 - Lapa - São Paulo
Capacidade: 198 pessoas
Horário - sábado às 21h e domingo às 19h
Duração - 60 min.
Ingressos - R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia)
Classificação indicativa - 16 anos

Postar um comentário

0 Comentários