Confira trailer e entrevista com a diretora Halina Reijn do longa Instinto


Pré-selecionado pela Holanda para o Oscar 2020 na categoria de melhor filme estrangeiro, filme estreia nos cinemas nacionais no dia 16 de janeiro com distribuição  A2 Filmes

Primeiro filme dirigido pela atriz Halina Reijn ("A Espiã" e "Operação Valquíria"), traz em seu elenco nomes como da atriz Carice van Houten (do seriado “Game of Thrones”, da HBO) e do ator Marwan Kenzari (Jafar do live-action “Aladdin”, da Disney). O drama estreou no Festival de Locarno e também foi exibido em Toronto na seção Contemporary World Cinema.

No filme, Nicoline, uma psicóloga experiente, inicia um novo emprego em uma instituição penal, apesar de ter decidido nunca mais voltar à psiquiatria. Ela conhece Idris, um homem inteligente com um distúrbio de personalidade antissocial e narcisista, que cometeu uma série de crimes sexuais graves. Após cinco anos de tratamento, ele está prestes a ter sua primeira saída em liberdade condicional desacompanhada.

A equipe de profissionais da instituição está entusiasmada com o desenvolvimento e comportamento do condenado, mas Nicoline não confia nele nem um pouco. Ela tenta adiar a soltura, para o espanto de seus colegas de trabalho. Idris tenta ao máximo convencer Nicoline de suas boas intenções, mas, como ela permanece cética, ele vai ficando gradualmente mais violento em relação a ela, transformando-se em um homem manipulador – o que Nicoline viu nele desde o começo.

Um jogo de poder surge entre os dois e Nicoline, apesar de seu conhecimento e experiência, deixa-se envolver e acaba em uma situação muito tensa e perigosa. Confira o trailer:


Ficha Técnica
Instinto
Holanda | 2019 | Suspense | 108 minutos
Título Original - Instinct
Direção - Halina Reijn
Elenco - Carice van Houten, Marwan Kenzari, Marie-Mae van Zuilen

Abaixo a entrevista com Halina Reijn, com tradução e edição de André Cavallin, realizada por Ronald Rovers, para o site De Film Krant, na ocasião do lançamento de Instinto no Nederlands Film Festival, em setembro de 2019.


Qual foi o seu motivo para fazer este filme?

Halina Reijn - Muito simples. Vi um documentário no canal TBS, um desses de atualidades, e o assunto era o amor. Isso me fascinou imensamente. Claro que você tem amor em todas as instituições. Apenas realmente me atraiu a ideia de que alguém que conhece o problema que esse psicopata, sociopata ou narcisista tem e ainda pode ser vítima de tal pessoa – e ir muito além de seus próprios limites.

Na superfície, o filme é sobre uma psicoterapeuta que se apaixona por um...

Halina ...Estuprador em série.

Mas eu vi outra coisa.

Halina - O que você viu?

Alguém que é sexualmente danificado.

Halina - Exatamente.

O que você não diz em voz alta em qualquer lugar.

Halina - É exatamente isso que eu quero dizer. Eu realmente queria fazer algo sobre intimidade. Sobre alguém que nunca mais poderá ter intimidade com alguém devido a danos. Em última análise, é uma história sobre poder, sexualidade e intimidade.

Ela não pode mais confiar em seu instinto.

Halina - Exatamente.

Porque está quebrado.

Halina - Você prestou atenção.

Este é o tipo de filme que só funciona com atores muito bons. Onde a verdadeira história está escondida. O fato de ela olhar para aquele espelho fragmentado, pensei que era um pouco metafórico.

Halina - (risos) Sim, também noto que é uma história monomaníaca. Aparentemente, havia algo em mim com grande urgência que precisava ser removido. Simples assim.

Eu não acho isso simples.

Halina - Ah, Ok. Eu concordo com você nesse espelho. Eu acho que é quase infantil, essa imagem, mas está tudo bem. O que eu queria contar é uma história sobre uma luta com a intimidade. No filme, sugerimos cautelosamente de onde vem, mas não queríamos empurrar isso pela garganta do espectador.


Você escolheu um lugar extremo para um fenômeno - a intimidade - que se algo tornou bastante complexo nos últimos anos.

Halina - De fato, embora eu deva acrescentar que o Movimento #MeToo não existia quando comecei a trabalhar no roteiro com Esther Gerritsen. Nossa motivação para querer fazer o filme aumentou por causa disso. Sentimo-nos apoiadas porque, de repente, muitas mulheres se expuseram com histórias de abuso. E algumas pessoas enxergam INSTINTO como antifeminista. Mas é mais importante do que nunca contar histórias sobre limites, poder e sexo.

Esse limite é, portanto, sempre permeável. Certamente para alguém que nunca aprendeu onde está esse limite porque foi abusada.

Halina - Exato. E a dor disso.

Se o #MeToo começou a tocar vocês gradualmente, de onde veio o seu fascínio?

Halina - Isso também tem a ver com os papéis que interpretei. Todos esses papéis importantes nas peças clássicas são sobre a busca de mulheres pela intimidade. Eu também luto com isso. O filme é uma ampliação de algo que me fascina em todos os aspectos: por que acendo um cigarro e o fumo se conheço as consequências disso?

Quem é a mulher agora? Para mim, sou um abraço, uma espécie de monstro de Frankenstein. Por um lado, uma feminista. Por outro lado, quero ser uma garotinha protegida por um homem dominante. Eu não entendo minha própria sexualidade. Sinto-me um ser fragmentado, apenas para retornar a esse espelho. Uma mulher com uma carreira profissional e que só quer trabalhar. Por outro lado, quero ser uma dona de casa nos anos cinquenta e por que não tenho filhos etc.

Todos esses diferentes arquétipos estão em mim. Eu posso usar isso muito bem no palco. Então, o que pode me atrapalhar na vida real está em cima do palco. No entanto, estou confusa e queria mostrar isso com este filme. Eu sinto que mais pessoas sentem essa confusão. Homens também. O tema coletivo predominante agora, certamente no Ocidente, tem a ver com gênero, fronteiras, sexualidade e identidade.


Isso não é chato? Outro dia, uma mulher escreveu no Twitter: ‘Eu andei esta manhã no Nieuwe Binnenweg, em Roterdã, fui agarrada por um estranho e beijada no meu pescoço. Eu poderia acertar meu cotovelo, mas já havia acontecido e não posso mais me livrar da sujeira’. Eu pensei: se você tiver que experimentar tudo isso.

Halina - Você viu Rainha de Copas? É um filme dinamarquês sobre uma mulher, família perfeita, filhos, tudo perfeito. Então, seu enteado de dezessete anos vem morar em casa e ela entra em um relacionamento sexual com ele. Lá, é a mulher quem atravessa completamente as fronteiras. Também pode acontecer o contrário. Eu sou uma mulher e constantemente sinto essa confusão sobre minhas próprias motivações, sexualidade e meus próprios problemas relacionais. Por um lado, é um assunto privado, por outro, é um assunto coletivo. Agora, também há muita prudência e muito medo, e isso é super fascinante.

Justamente por causa do medo de ir longe demais, a intimidade se tornou tão complexa. Como você lida com isso quando conhece alguém em um pub? É diferente de vinte anos atrás.

Halina - Quando todo esse movimento começou, pensei: ‘Jesus, se você é talentoso, não precisa dormir com alguém para conseguir um papel’. Comecei a pensar diferente sobre isso. Talento ou nenhum talento não têm nada a ver com isso. A questão é que nenhuma mulher ou homem deve ser forçado por alguém com poder nessa posição.

Como atriz, agora indico meus limites muito melhor. Quando eu estava ensaiando para um trabalho na Inglaterra, havia uma atriz britânica no elenco que me disse: ‘Você está constantemente sendo assediada por todos os atores holandeses mais velhos’. Então, eu disse: ‘Sim, mas você sabe, também é embaraçoso ter que dizer “não se abale tanto. Garotos serão garotos, que diferença isso faz?”’. Pensei: ‘Livre-se de sua cavalaria moral’. Mas está encrustada.

No fim das contas, agora me sinto muito melhor, muito mais aliviada no meu trabalho, onde costumava pensar que essas coisas simplesmente faziam parte do cenário. Agora, eu posso dizer: ‘Desculpe, eu realmente não sinto mais isso’. Ou estar nua, por exemplo. Hoje você ousa levantar essas questões mais facilmente. Você se sente apoiada - e apoiada por um movimento maior. A desvantagem é que todo mundo vai dizer: posso tocar em você, posso ajudá-la? Isso também é morte para a arte.


Onde fica a fronteira?

Halina - Em uma das primeiras reuniões sobre o filme, de repente me ouvi dizer: ‘Não quero ver pelos pubianos ou o mamilo de uma mulher neste filme’. Eu só quero ver nu masculino. Porque é o olhar feminino. Mas o sexo masculino na imagem não era permitido. Marwan (Kenzari), nosso protagonista, não se importava. Eles eram outros. Eu queria fazer este filme de uma perspectiva feminina quase pervertida. Porque achamos que é tão normal que... Agora estou entrando em uma fase novamente e depois me perguntam, de novo, se quero essa exposição. ‘Por que ele não será exposto?!’, eu penso.

Este movimento realmente começou. Porque em todos os tipos de relações sexuais há um equilíbrio de poder distorcido.

Halina - Exatamente e então você voltará a Oscar Wilde: tudo é sobre sexo e, quando não é, é sobre poder. E se é, como lidamos com isso? Certamente, na arte, é difícil, porque a liberdade que você precisa ter para chegar ao âmago daquilo que deseja mostrar exige não ter limites. Mas agora percebo que isso é possível com certos códigos. Que no momento em que se diz pare, é realmente para parar.

Agora sinto mais respeito e distância na sala de ensaios. De qualquer forma, Ivo (van Hove, que frequentemente dirigiu Halina na companhia de teatro Toneelgroep Amsterdam) é rápido, porque é muito profissional, quase uma unidade isolada durante os ensaios. Mas é claro que sempre houve uma área cinzenta entre os atores: eu não te conheço e, de repente, temos que falar um com o outro, que porra é essa? Como devemos fazer isso? Eu acho que, desde que esse movimento (#metoo) surgiu, há mais respeito e distância e menos brilho hippie. Estou muito feliz com isso.


O que acho forte sobre o filme é que ele força o público a perceber que o personagem de Carice não sabe mais onde está a fronteira. Então, você não pode julgá-la.

Halina - Exatamente. Embora seja fácil julgá-la.

Tenho certeza que isso aconteceu. Que é feito.

Halina - Isso é realmente muito legal para o produtor, Frans van Gestel. Ele ficou bem na minha frente, como uma estátua, e me deu total liberdade. E foi um movimento inteligente de Frans, Carice e eu fazermos um filme pequeno. Orçamento pequeno, 23 dias de filmagem. Então, você não precisa cumprir todos os tipos de metas e não precisa reunir uma grande audiência.

Como você apresentou o projeto para Van Gestel?

Halina - Eu já tinha conversado com ele antes. Literalmente liguei para ele imediatamente depois de assistir ao documentário e dizer que quero fazer um filme sobre uma psicoterapeuta que se apaixona por seu maior inimigo, seu maior demônio. Então, ele convidou cinco escritores. Ester, que coescreveu o filme, emergiu disso. Esse foi um passo importante. Eu nunca poderia ter escrito isso sozinha. Penso de forma abstrata e teatral: duas pessoas em uma sala, uma mesa. Eu vejo uma peça.

Então aquele barulho que você ouve constantemente no fundo, o sentimento perturbado que o personagem carrega, vem dela?

Halina - Esse também é o gênio de Van Gestel, que convidou o Michel Schöpping. Ele é uma das maiores instituições da Holanda – uma autoridade no mundo do cinema. Eu tive que fazer um teste com ele e o roteiro. Ele é um artista puro e entendeu perfeitamente o que eu queria dizer. Esse barulho se tornou importante para mim, porque esta é uma história sobre alguém quase enlouquecendo. Porque toda interação humana é íntima demais para ela. Você pode sentir esse barulho.

Ela também diz: Eu não quero um contrato permanente.

Halina - Exatamente. Ela realmente não quer existir. Ela quer parar de viver. Ela só pode experimentar isso se for dominada.

Você está realmente dizendo que a aparência do filme veio das pessoas ao seu redor? Michel Schöpping, Jasper Wolf, o cinegrafista? Ou também foi sua a inspiração?

Halina - Na verdade, eu apenas imitei. Eu fui assistente de Ivo van Hove por vinte anos. Observei. O mapeei completamente. Eu segui exatamente a agenda dele. O que ele sempre faz é: ele cria alguma coisa. Então, ele convoca toda a companhia, até a moça do casaco, e conta seus motivos mais profundos para fazer essa peça singular. Para que todos se sintam conectados a ele. Eu também fiz isso ao fazer este filme. Todos os sentimentos da mãe, tudo o que foi suprimido, eu poderia deixar ir. Por isso estou na Terra, pensei em um determinado momento, agora entendi.

Ninguém tentou enfraquecer a história?

Halina - É claro que existem coisas que as pessoas queriam evitar. Mas nunca fui muito além de minha própria fronteira para lutar pelo que defendo. Às vezes, eu tinha que ir ao banheiro para conter minha energia e não me voltar contra as pessoas; depois, silenciosamente voltei e disse: ‘Entendo o que você está dizendo. Mas não vamos fazer dessa forma’. Essa foi minha missão. E isso também é devido a Carice. Olha, Carice é minha companheira de todas as horas, ou, como você poderia dizer: óbvio que somos parceiras. Ela e Marwan praticamente me forçaram a ser radical, a acreditar em mim. Marwan dizia o tempo todo: ‘Halina, eu só farei isso se você realmente fizer o que quer fazer’. Carice e Marwan, é claro, não precisavam fazer isso, estão em Hollywood todos os dias e sei quanto dinheiro podem ganhar lá. A condição deles era: ‘Ok, então você coloque sua merda mais profunda na tela’.

Você poderia dirigir agora?

Halina - Sim, e eu fiz isso. Queria dirigir há um longo tempo, mas estou tão feliz que nunca deu certo antes (risos). É claro que também é uma questão prática. Teríamos que conseguir uma janela de tempo em que Carice e Marwan estivessem livres para trabalhar no projeto. E eu também, porque tive outra peça, outra peça e outra peça... Eu finalmente saí dessa agenda. Ivo e tudo o que aprendi com a companhia Toneelgroep Amsterdam foram de fato minha escola de cinema.


Que puxado! Você se considera adulta agora?

Halina - "Sim. Eu ainda sou super insegura, como todo mundo. Mas eu definitivamente tenho um sentimento de libertação. Porque não sou mais dependente dessa vida circense. Eu realmente gostei, mas é uma página virada agora. Agora, é isso o que eu quero fazer. O cinema me deixou agressiva em certo ponto: ‘Vá e faça isso, apenas fique lá’. Para mim, esse não era mais o caso. Eu acho que muitas pessoas têm isso. Ficam com raiva em algum momento de sua profissão ou relacionamento. Que isso não está mais correto. Eu só pensei durante os ensaios: ‘Ah, sim? Bem, você faz isso’.

Você tem que contar suas próprias histórias.

Halina Eu percebi isso tarde demais. Ivo percebeu isso mais rápido do que eu. Ele já perguntou, quando eu tinha 30 anos, se eu queria dirigir uma peça. Mas isso me parece... Olha, o teatro é realmente a igreja sagrada para mim, porque ele é obviamente o meu por direito. Sou um pouco mais ingênua no cinema. Eu posso ser eu mesma lá. Filme é coisa minha e não a igreja de Ivo.

Qual é a sua essência então?

Halina - O que nos une como mestre e musa, o que estamos fazendo há muito tempo, é uma visão amoral de comportamento, sexualidade e poder. Eu acho que todos os meus papéis para ele são sobre isso. Eu poderia me render completamente a isso e ele não me condenou por essa rendição. Não, ele olha seus personagens completamente por sua própria dor. Temos que domar as loucas, sem nenhuma ironia. E pude dizer muito sobre meus segredos mais profundos e ocultos. Os mesmos medos e pensamentos ocultos que agora coloquei em meu próprio projeto. Sempre pensei: ‘Se não estou com ele e sem esse grupo, não sou nada’. Você entende? Agora penso: devo tudo ao teatro, mas também posso fazer minhas próprias coisas, sou livre.

Postar um comentário

0 Comentários