Os 70 anos de Fagner

Data é comemorada com o lançamento de 13 álbuns do cantor nas plataformas de streaming pela Sony Music



Dez dias depois de Zé Ramalho, no dia 13 de outubro, chegou aos 70 anos outro grande expoente da geração nordestina que renovou a música brasileira quatro décadas atrás: o cearense Raimundo Fagner. Da mesma forma que fez com seu colega e parceiro, a Sony Music, prosseguindo com o projeto de digitalização de seu imenso catálogo (restaurando tapes analógicos e projetos gráficos originais de seus antigos vinis), celebra a data trazendo de volta alguns de seus melhores álbuns.


São 13 títulos que estarão disponíveis pela primeira vez nas plataformas de streaming, sendo nove originais, de carreira - “A mesma pessoa” (1984), “Fagner” (1986) - e os demais com preciosas faixas bônus: “Orós” (1977), “Eu canto (Quem viver chorará)” (1978), “Traduzir-se” (1981), “Sorriso novo” (1982), “Palavra de amor” (1983), “Fagner” (1985) e “O quinze” (1989).

Além disso, dois álbuns que já estavam disponibilizados - “Beleza” (1979) e “Eternas ondas” (1980) - ganham agora versões com faixas extras. Fecham a tampa três coletâneas (“Chave de mim”, 1989, “Entre amigos”, 1990, e “Bateu saudade”, 1996) e um compacto com o jogador Zico (“Batuquê de praia” e “Cantos do Rio”), de 1982.

Com sua voz rascante, de sonoridade algo árabe (herança do pai libanês), Fagner imprimiu um estilo de interpretar diferente de tudo que havia no país até então. Após sair vitorioso em festivais universitários no Ceará e em Brasília, de ter gravado um compacto em dupla com o conterrâneo Cirino, feito uma participação no Festival Internacional da Canção de 1972 e de ter “Mucuripe” (dele com Belchior) lançada no Disco de Bolso do prestigiado jornal Pasquim, enfim gravou seu primeiro disco no ano seguinte na Phonogram, e ainda faria mais dois na Continental até aportar na CBS em 1977. Ali gravou seu quarto álbum, o hoje cultuado “Orós”, nome de uma pequena cidade centro-sul do Ceará, onde nasceu.


Mucuripe, canção feita em parceria com Belchior

O disco fazia um mergulho num Nordeste mais profundo, levando-o para o mundo, com a ajuda de instrumentistas de vanguarda como Hermeto Pascoal, Ro­bertinho de Recife, Itiberê Zwarg, Paulinho Braga, Nivaldo Ornelas, Márcio Montarroyos, Do­minguinhos, Chico Batera, Meireles, Mauro Senise, entre outros.

Um disco experimental sem deixar de ser popular, aliando forró, jazz e psicodelia, destacando “Cebola cortada” (Clodô/ Petrúcio Maia) e “Flor da paisagem” (Robertinho do Recife/ Fausto Nilo). Esta edição traz de faixas bônus “Acalanto para um punhal” (do LP de seu autor, Robertinho do Recife com Herman Torres), e ainda “Depende” (Fagner/ Abel Silva), e uma nova versão de “Flor da paisagem”, ambas lançadas originalmente no LP de Amelinha daquele ano, cujo título era o mesmo desta última canção.

A seguir, atendendo a um conselho do “Rei” Roberto Carlos, passou a gravar músicas que tivessem maior apelo popular. Foi o caso de “Revelação” (Clodô/ Clésio), inclusa no LP “Eu canto” (1978), que ganhou as paradas de sucesso de todo o país, com a participação de Robertinho do Recife, num solo antológico de guitarra. O álbum novamente trazia a adesão de grandes músicos, como Dino 7 Cordas, Chico Batera, João Donato, Dominguinhos, além de Manassés, Fernando Falcão e Izaías. Ele encontrou ocasionalmente com esse trio em Paris, e ali acabaram por idealizar o álbum, gravado na volta dos músicos ao Brasil. O título original do disco provinha de um trecho da canção “Motivo”, de Fagner, baseado num poema de Cecília Meirelles.

Em novembro de 1979, o cantor venceu o Festival 79 de Música Popular da TV Tupi, com “Quem me levará sou eu” (Dominguinhos/ Manduka), que nas reedições do álbum passou a aparecer no lugar de “Motivo”, razão pela qual também o título do álbum mudou para “Quem viver chorará” - esta, a propósito, também o nome de uma canção gravada no LP do compadre Manassés, em 79, incluída como bônus, assim como outra autoral, “Violada” (do mesmo álbum). Há ainda como extras a regravação de dois de seus hits iniciais, “Manera Fru Fru, manera” e “Cavalo ferro”, gravadas no LP do parceiro (em ambas) Ricardo Bezerra, também de 79.

Ainda em 1979, o álbum “Beleza” revelou o grande sucesso “Noturno” (Caio Sílvio/ Graco), tema de abertura novela das oito “Coração alado”, da TV Globo, e reaparece agora com quatro faixas bônus: “Loucos swingues tropicais” (do LP de Robertinho do Recife, numa parceria dele com o cantor), “Passarim de Assaré” (Fagner/ Fausto Nilo, do álbum coletivo “Soro”), “Passarás, passarás, passarás” (Petrúcio Maia/ Capinan, do LP da colega Téti) e “Oferenda” (Clodô/ Climério, do LP dos irmãos Clodô, Climério e Clésio) - todos do mesmo ano. “Eternas ondas” (1980) estourou a faixa título, composta pelo colega e contemporâneo Zé Ramalho. Trata-se de um disco de viés bem nordestino, com as participações do próprio Zé e também de Sivuca, Egberto Gismonti, Oberdan Magalhães, Naná Vasconcellos e novamente Robertinho do Recife e Dominguinhos.

Foto - Divulgação
Entram agora no streaming as faixas bônus “Tudo ou nada” e “Quatro prantos” (do álbum “Terra”, do violonista Nonato Luiz, autor de ambas, com Fausto Nilo) e “Morena Penha” (do LP da Banda Santarén, com a participação de Manassés, este, autor da canção com Petrúcio Maia), todas de 80.

O álbum favorito do cantor, “Traduzir-se” (1981) nasceu de uma viagem à Espanha, sendo lançado também na Europa e América Latina. Além da faixa-título, em que musicou os belos versos de Ferreira Gullar, o disco consagrou “Fanatismo”, canção de Fagner sobre poema da poeta portuguesa Florbela Espanca. É um disco que abarca canções de nomes importantes da literatura (como Garcia Lorca) e da música latina nas composições e participações de nomes não menos legendários como Mercedes Sosa (“Años”, de Pablo Milanés). De bônus, uma nova gravação de “Vaca estrela e boi fubá” desta vez com seu autor, Patativa do Assaré, em seu LP “A terra é naturá”, do ano anterior, e “Bom vaqueiro”, de um álbum de duetos do autor, o maranhense João do Vale (com Luiz Guimarães).

“Sorriso novo” (1982) trouxe mais dois poemas de Florbela Espanca (“Fumo” e “Tortura”) e outro de Ferreira Gullar (“Qualquer música”). Foi gravado em Nova York, sendo o primeiro trazendo o mago dos teclados Lincoln Olivetti ao seu trabalho. Graças ao compromisso com o arranjador do momento, acabou perdendo a oportunidade única de trabalhar com George Martin, legendário produtor dos Beatles, que disse a ele após ouvir algumas de suas canções, que só trabalhava em discos inteiros e não apenas em algumas faixas, por isso este álbum passou para a história como aquele em que Fagner “quase trabalhou com George Martin”.

Foi também o mais caro de sua carreira, arregimentado por Gil Evans, com naipes estelares de metais. A mais tocada foi a balada autoral “Pensamento”. De faixas bônus, “Frieza”, outra do cantor em parceria com Florbela Espanca, em dueto com Amelinha (de seu LP daquele ano) e duas canções de um compacto com o craque do Flamengo, Zico, “Batuquê de praia” e “Cantos do Rio” (ambas de Petrúcio Maia), também lançado separadamente nesse projeto de aniversário.

Mais um ano, mais um disco e mais um sucesso. “Guerreiro menino (Um homem também chora)”, de Gonzaguinha, tomou de assalto o Brasil em sua voz. Uma música de forte que fazia a denúncia de que “não dá pra ser feliz” sendo excluído socialmente. Ela fez parte do álbum “Palavra de amor” (1983), que trouxe nova parceria vocal com Chico Buarque em “Contigo” (Fagner/ Ferreira Gullar), dez anos depois da gravação original de “Joana Francesa”, para o filme homônimo de Cacá Diegues, e a releitura da melancólica “Prelúdio pra ninar gente grande”, de Luiz Vieira, com participação do tecladista César Camargo Mariano. De bônus, “Xote dos poetas” e “Filhos do câncer”, gravadas em dueto com Zé Ramalho, no álbum do amigo “Orquídea negra”.

Considerado pelo cantor seu disco de melhor sonoridade, “A mesma pessoa” (1984) foi gravado no estúdio Sigla (da Som Livre) e o restante em Londres com o engenheiro de som Steve Taylor, onde foi finalizado. Trouxe o sucesso “Cartaz” (Francisco Casaverde/ Fasuto Nilo) e a regravação do pop/romântico “Só você”, hit de seu autor Vinícius Cantuária.

Em 1985 foi a vez de “Fagner”, seu último álbum na CBS. Trazia as participações da saudosa Beth Carvalho no samba “Te esperei” (Gereba/ Capinan), de Rosana (antes da fama) nos vocais de “Pressentimento” (Beto Fae/ Fausto Nilo) e mais uma vez Chico Buarque, na divertida “Paroara”, uma rara canção assinada pelos dois. “Deixa viver”, dos mesmos autores de “Cartaz”, aparece também numa versão remix de bonus track.

Foto - Divulgação
A fase de explosão em vendas

Seu álbum de estreia na RCA (depois BMG, hoje Sony Music), “Fagner” (1986) foi catapultado pela faixa “Lua do Leblon” (Lisieux Costa, irmã da compositora Sueli Costa e da cantora Telma Costa, com Fausto Nilo) e “Dona da minha cabeça” (outra de Fausto, com Geraldo Azevedo), vendendo 300 mil cópias.

O disco seguinte, “Romance no deserto” - que já se encontrava nas plataformas de streaming - foi um dos maiores best sellers do cantor, chegando às 700 mil unidades vendidas, graças ao megahit “Deslizes” (balada de dor-de-cotovelo dos hitmakers do momento, Michael Sullivan e Paulo Massadas), trazendo ainda outra, a lasciva “À sombra de um vulcão” (Fagner/ Fausto Nilo): “Quem sonha contigo molha a cama/ Quem te ama dorme à sombra de um vulcão”.

Dois anos depois, o eclético “O quinze” foi outro tiro certeiro do artista, vendendo 500 mil cópias com repertório entre o sofisticado e o popular, agregando regravações do bolero “Tortura de amor”, de Waldick Soriano, da valsa “Joana Francesa” (Chico Buarque, em novo dueto com o próprio), a balada soul “As dores do mundo” (Hyldon) e até uma versão em português (do oniprsente Fausto Nilo) para o standard “Ne me quitte pas”, de Jacques Brel, “Não me deixes mais”. Uma das mais executadas foi a balada “Amor escondido” (Fagner/ Abel Silva), incluída na trilha da novela “Tieta”, da TV Globo.

Este álbum, lançado na época da transição do formato “Long play” para o “Compact Disc”, teve uma edição ampliada nesta última mídia, que cabia mais músicas, trazendo uma recriação de seu hit inicial, “Mucuripe”, a então inédita “Amor e crime” (Belchior/ Francisco Casaverde), uma versão instrumental da faixa de abertura “Cidade nua” (Fagner/ Fausto Nilo) e em homenagem ao Rei do Baião, Luiz Gonzaga, recém-falecido, com quem o cantor chegou a gravar dois álbuns inteiros, a toada “Estrada de Canindé” e um medley de forrós.


“À sombra de um vulcão" do álbum de 1987 Romance no deserto

Fechando o pacote, três coletâneas. “Chave de mim” (1989) faz um apanhado de sua fase “CBS” (1977-1985). “Entre amigos” apresenta duetos do cantor com Cazuza (“Contramão”), Roupa Nova (“Palavra de amor”), Nara Leão (“Penas do tiê (Você)”), Ney Matogrosso (“Postal de amor” e “Ponta do lápis”), além dos já citados Amelinha, Chico Buarque, Beth Carvalho e Mercedes Sosa. Finalmente, “Bateu saudade” (1996) traz um Fagner forrozeiro, incluindo o hit “Pedras que cantam” (Dominguinhos/ Fausto Nilo, 1991), tema da novela “Pedra sobre pedra”, da Globo, e diversos forrós clássicos, incluindo participações de dois dos maiores ícones do gênero, Marinês e Luiz Gonzaga, respectivamente em dois medleys.

O filho deste último, Gonzaguinha, outro grande amigo de Fagner, é lembrado em “Saudade” no ano de sua morte prematura, num dueto com outra grande intérprete do compositor, a cantora Joanna. Como se vê, um repertório fundamental, agora ao alcance de todos.
Para conferir, é só clicar aqui.

Postar um comentário

0 Comentários