Saiba tudo sobre o longa Branca Como a Neve

Distribuido pela A2 Filmes, novo filme da diretora Anne Fontaine chega aos cinemas brasileiros dia 19 de setembro


O filme é uma nova versão do clássico conto de fadas dos irmãos Grimm, “Branca de Neve e os Sete Anões”, e traz a atriz Lou de Laâge ("Agnus Dei" e "A Espera") como protagonista.

No filme, Claire (Lou de Laâge) trabalha no hotel de seu falecido pai, agora administrado por sua madrasta Maud. A garota desperta ciúme incontrolável em Maud, que tenta acabar com a vida de Claire. Isso é o ponto de partida para uma jornada de descobertas para ela.

Branca Como a Neve (Blanche Comme Neige | White as Snow), a mais nova produção da diretora e roteirista Anne Fontaine ("Coco Antes de Chanel", "Agnus Dei" e "Gemma Bovery") e estrelada por Isabelle Huppert (indicada ao Oscar por “Elle”), chegará aos cinemas brasileiros pela A2 Filmes no dia 19 de setembro.

A diretora Anne Fontaine, cujo nome de batismo é Anne-Fontaine Sibertin-Blanc, nasceu no ano de 1959 em Luxemburgo, é irmã do ator Jean-Chrétien Sibertin-Blanc, viveu sua infância em Lisboa , onde seu pai, Antoine Sibertin-Blanc, era professor de música. Na adolescência, mudou-se para Paris onde estudou dança com Joseph Russillo.


Em 1980, ela foi escolhida por Robert Hossein para interpretar Esmeralda em uma produção teatral de O Corcunda de Notre Dame, foi nessa época que adotou o nome Anne Fontaine. Anne ficou conhecida por seus papéis em comédias como Si ma gueule vous plaît ... (1981) e PROFS (1985). A primeira oportunidade de ser assistente de direção veio com uma versão teatral de 1986 da Viagem de Louis-Ferdinand Céline, no teatro Renaud-Barrault.

O primeiro projeto de Fontaine como diretora, Les Histoires d'amour finissent mal ... en général , venceu o Prix ​​Jean Vigo de 1993. Em 1995, ela trabalhou com o irmão na comédia Augustin. Dois anos depois, escreveu e dirigiu a bem sucedida Nettoyage à Sec (Limpeza a seco). Recebeu o prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Cinema de Veneza de 1997, considerado um marco no caminho de Fontaine para se tornar figura importante no cinema francês contemporâneo.

Em 1999, o personagem Augustin (Jean-Chrétien Sibertin-Blanc) reapareceu no filme de Fontaine Augustin, Rei do Kung-Fu . Como eu matei meu pai foi lançado em 2001, e Nathalie em 2003. Entre ses mains, filme de 2005, foi descrito como um thriller: um "thriller íntimo", segundo a própria Fontaine. Um terceiro filme com o personagem Augustin, Nouvelle chance (também conhecido como Oh La La ), foi lançado em 2006. Na sequência, vieram os longas The Girl From Monaco de 2008 e Coco Before Chanel, sua biografia de Coco Chanel , em 2009.

O trabalho de Fontaine não é facilmente categorizado, embora a frase "drama psicológico" seja frequentemente usada. Em entrevista, ela disse a um jornal do Reino Unido: "Eu tento trabalhar do lado obscuro dos meus personagens, e de uma maneira freudiana perguntar: 'Quais são as coisas sobre elas que elas desconhecem?' Fico fascinada com a ironia do destino, quando algo derrapa. Todas as minhas histórias têm um elemento de crueldade nelas".

Confira abaixo o trailer e  entrevista com Anne-Fontaine, onde ela revela detalhes sobre o filme:


De onde surgiu a ideia de fazer esse filme?

Anne Fontaine - Eu tinha acabado de fazer dois filmes bastante sombrios ("Agnus Dei" e "Marvin") e queria criar um personagem feminino que crescesse e abordasse a sensualidade sem um conceito moralizador ou mortificante. Uma menina livre para experimentar diferentes relacionamentos, compartilhar, com um sabor, um desejo e um apetite cheios de alegria de viver e cuja alegria e humor seriam comunicativos. Faz muito tempo que essa garota me surgiu na cabeça. Então, eu me diverti com o número sete. Quando foi lançado, minha heroína ia encontrar sete homens diferentes, dando material para sete retratos e com os quais ela viveria sete histórias diferentes. Sete parecia um bom número.

Sete como o número de anões do conto dos Irmãos Grimm.

Anne - Reflexões sobre encontros com esses homens rapidamente me levaram à história. Havia algo grandioso em recontar a trajetória dessa jovem mulher moderna de uma história que faz parte do imaginário coletivo e que pode facilmente ser reconhecida. Eu tinha a premissa de uma comédia original. Uma versão rock' n'roll de Branca de Neve, baseada em um mundo real, mas desconectado do naturalismo. Muito longe da mulher servil que limpa a cozinha e é totalmente alienada pelos anões.

Por que escolheu construir o filme em três capítulos?

Anne - Todo mundo conhece a história da Branca de Neve. "Quebrando" a construção através da introdução de capítulos, conseguimos quebrar a expectativa, nós introduzimos uma tensão diferente entre as trajetórias de Claire (Lou de Laâge) e de Maud (Isabelle Huppert), antes de reuni-las no último capítulo. E foi também uma maneira de revisitar os dois arquétipos (Branca de Neve e a Rainha). Como muitas vezes, mas talvez ainda mais para este filme, escrever foi um momento delicado. Esta é a primeira vez que construo um filme dessa maneira e estamos diante de três dificuldades: como se infiltrar na estrutura da história e no encontro com todos esses homens? Quanto espaço para progredir para o personagem da sogra? O conto nos guiou, mas, na realidade, todos os protagonistas continuaram a se reinventar.

Depois de "Gemma Bovery" e de "Agnus Dei", esta é sua terceira colaboração com Pascal Bonitzer, corroteirista.

Anne - Era importante já ter essa cumplicidade, pois poderíamos dizer qualquer coisa e muito do que dizemos vem de nós mesmos, é um tipo de exercício que não está preso a nada. Nós dois crescemos muito em termos de visão, trabalhamos em camadas sucessivas e sempre trabalhamos a quatro mãos.

Você recorta do conto seus códigos, os torna mais complexos e os costura de modo que o público seja conduzido a uma direção mais subversiva.

Anne - As maçãs vermelhas, a floresta, os animais são, na verdade, concebidos como tantos pontos de conexão que divertem o espectador e o mergulham, espero eu, em uma cumplicidade imediata com a protagonista.


Essa cumplicidade permite que você pule algumas etapas na construção da trama, já que, depois de uma perda e a tentativa de assassinato, a heroína da história já surge no meio da floresta.

Anne - Eu queria me sentir interrompida. A partir do momento em que vemos Isabelle Huppert pedir aquelas maçãs e se observar no espelho do hotel, suspeitamos que algo ruim vai acontecer. E voltamos a isso no próximo capítulo.

A primeira surpresa do filme é a enorme casa em que Claire é acolhida.

Anne - Esta não é a pequena casa encantada onde Branca de Neve encontra refúgio no conto. É um lugar ambíguo: ao mesmo tempo protetor e opressivo, mágico e perturbador. Claire poderia facilmente acreditar que estava presa. No entanto, este local não é apenas cenográfico: a casa existe, é em Vercors, na França.

Todos os homens do filme são de tamanho normal e possuem uma humanidade que remete ao que vemos retratada nos personagens anões desenvolvidos pelos Irmãos Grimm.

Anne - Assim eles assumem essa humanidade, como no conto. E a construção psicológica é inspirada, sem ser literal, na dos anões e cada uma de suas sete personalidades diferentes. No filme, são um violoncelista, um livreiro, um padre, um atleta, um veterinário... Homens com personalidades diferentes, alguns belos e outros menos, mas todos com defeitos e contradições da representação binária de homens fortes. Aqueles que não me interessavam, não representam a verdade dos seres humanos. Os homens do filme são especiais, complexos, eles constantemente têm dúvidas e Pascal Bonitzer sabe melhor do que ninguém como tirar sarro de personagens masculinos um pouco deprimidos. E nós dois sabíamos que a energia de Claire os levaria a um universo mais solar.

Claire se aproxima de todos com pureza e sensualidade.

Anne - Não se deve julgá-la ou avaliar a atitude por um prisma moral. Até então, ela levava uma vida 'tradicional', com uma madrasta castradora. O trauma que ela experimentou permite que ela mude seu ponto de vista. A perda de seus pais e esse assassinato fracassado a encorajaram a começar a viver plenamente – provavelmente porque ela estava prestes a perder a vida. Ao escrever esse personagem, pensei em uma mulher que conheci, uma pianista de alto nível, que perdeu alguém em um acidente e teve que desistir de sua carreira. Eu a vi impulsionar-se a uma nova vida, renascer, começar de novo. Para Claire, é a mesma coisa: é como um recomeço da vida, uma nova certidão de nascimento com uma liberdade sem precedentes. Ela tem uma página em branco para escrever bem a sua frente.

O filme foi escrito com uma generosidade enorme, sem tabus.

Anne Para dar corpo a ele, era necessário um frescor, uma aura, uma alegria de vida e uma rara generosidade – uma atriz que fizesse você sonhar. Curiosamente, levei muito tempo para pensar em Lou, com quem eu havia filmado "Agnus Dei". Eu sempre a vi como a personagem da médica que ela interpretou neste filme.


O que te fez tomar essa decisão?

Anne - Eu fui ao Japão para apresentar "Agnus Dei". Lou estava comigo, ela estava vestindo uma saia muito curta, eu achei algo impertinente e comecei a olhar para ela de outra forma. Um mês depois, eu a encontrei novamente em um bar de hotel. E aí, em uma fração de segundo, as coisas mudaram e eu dei a ela o roteiro para ler. Ela me ligou de volta naquele mesmo dia.

Esta foi a primeira vez que ela interpretou esse tipo de personagem no cinema.

Anne - Basicamente, ela se encaixa perfeitamente com Claire. Na vida, apesar de seu rosto, lindo, Lou é alguém que não brinca com sedução e mantém uma relação um tanto modesta com seu corpo. Ela me trouxe sua alegria de viver, sua vulnerabilidade e, ao mesmo tempo, uma energia incrível. As pessoas ficam muito surpresas ao descobrir isso, tão ousada, tão alegre e tão bonita. Ela e eu nos divertimos muito filmando as cenas eróticas, procurando por situações diferentes para cada homem. É preciso uma atriz muito parceira para esse tipo de sequência. E nossa cumplicidade foi ainda maior porque já tínhamos essa experiência de filmar juntas em comum. Lou é da minha família, gosto do físico dela e do que ela é por dentro. Eu poderia fazer muitas coisas com ela.

As cenas eróticas que ela tem com cada um dos sete homens que ela conhece são de infinita ternura e alegria - elas remetem a algo divertido, feliz e trazem uma sensação de liberdade, como respirar.

Anne - Em vez de cair no voyeurismo, era mais interessante encontrar maneiras diferentes de incorporar o erotismo: capturar, por exemplo, a sensualidade e a intensidade da relação de Claire com o personagem de Vincent Macaigne através do som de uma partitura de Bach, uma sensualidade platônica, uma vez que é fóbica de contato físico.

Muitas das cenas de amor remetem à natureza e aos animais, como algumas que se passam na floresta ou em que esquilos surgem e observam os amantes.

Anne - Eu trabalhei muito, é verdade, o domínio animalesco e a sensualidade das paisagens. A proximidade da natureza obviamente desempenha um papel no desenvolvimento sensual da heroína. É sublime, penso eu, o ato de amor.

Há também momentos cômicos, como gêmeos trocando de lugar em determinados momentos picantes, comportamentos impróprios dentro de uma biblioteca - coisas que poderiam ser um desastre e que acabam sendo extremamente engraçadas no filme.

Anne - Lendo a cena com Benoît Poelvoorde, a da biblioteca, as pessoas me disseram: "É uma piada!". Eu sabia que era, mas Benoît poderia exagerar. Fiquei espantada com a forma como ela saiu, com a interpretação dele. Levou dois segundos, ele é incrível! E a risada de Lou, que legal!

Você explode totalmente o papel do 'príncipe'.

Anne - Em favor da alteridade. Visitando a todos esses homens e descobrindo suas dúvidas, o caráter da jovem entende que ela pode lhes acrescentar algo e complementar a eles. Eu não faço filmes para passar mensagens, mas se isso acontecesse me faria feliz. Basicamente, pode-se ler o filme em vários níveis: psicanalítico ou apenas como um prazer sensual.

Por meio do papel interpretado por Richard Frénchette temos a representação de um padre, em que a religião é apresentada de forma que se agrega ao contexto.

Anne - Claire tem muita sorte em conhecê-lo. Ela procura seu caminho e ele indica a ela um maravilhoso. Richard Fréchette, que vemos muito nos filmes de Robert Lepage, é canadense, um pouco fora do círculo: pode ajudar a dar-lhe essa generosidade. Ele elogia as virtudes da montanha que ativa o sangue e chicoteia os sentidos, e cita Santo Agostinho. Ele diz que as palavras que queremos ouvir das pessoas supostamente representam a metafísica.


Palavras estas que partem de alguns religiosos e que são as mesmas dos movimentos atuais realizados pelas mulheres.

Anne - Basicamente, é uma lição de não conformismo que a Claire dá e a este padre e é talvez ainda mais eufórico hoje, enquanto se está colocando uma régua de chumbo na relação homem / mulher. Um crítico americano, que viu o filme me disse que, em tempos em que as relações de gênero são tão monitoradas, ele tinha a sensação de ter levado um tiro. As mulheres saem com um sentimento libertador.

Maud, a personagem da bela madrasta, que tem certo ar de beleza pura e de amor duradouro, é diferente da rainha má do conto original dos Irmãos Grimm, é mais humana.

Anne - Eu não queria que ela ficasse restrita à inveja ou tivesse o único propósito de eliminar sua rival. Ela sofre, ela perdeu o afeto de quem ela ama e é esse déficit emocional que coloca sua violência em movimento. Por trás de sua proximidade com o diabo, Maud tem uma certa fé. Tudo isso faz com que seja ambígua, opaca e sensível ao mesmo tempo. Ela quase tem lágrimas nos olhos quando a assassina (Agata Buzek, também já trabalhamos juntas em "Agnus Dei"), que ela encontra no capítulo dois em sua ala obscurantista, diz a ela que a única maneira de tirar Claire dela o amante interpretado por Charles Berling é a matando. Eu tentei gostar um pouco.

O relacionamento entre Maud e a bela garota é ambivalente – ao mesmo tempo em que elogia sua pele, oferece à jovem aquela fatídica maçã. A cena da dança é simplesmente linda.

Anne - Eu imediatamente pensei em Isabelle Huppert para este papel. São os personagens míticos que ela interpretou? Que coisa incrível acontecendo em seus olhos, você nunca sabe se é atração ou ódio o que ela sente! Ela sozinha sabe como causar esse problema. Em dois segundos, sem nunca caricaturar ou 'psicologizar', sabemos que isso trará tanto a história em seu sentido clássico quanto a modernidade do filme. Para a cena de dança, o roteiro mencionou uma dança sensual e eu só pedi a ela para mudar o ritmo em um determinado momento. Foi ela que, de repente, começou a deslocar o corpo de Lou. A maneira como ela fisicamente guiou a situação foi incrível, com violência e sensualidade. Como se ela quisesse beijá-la e derrubá-la ao mesmo tempo.

Falando sobre outra cena de dança, há um momento em que vemos o poder da sedução, agora na forma de jovens mais agressivos, quando a protagonista usa um vestido vermelho brilhante.

Anne - Maud realmente a admira. Ela olha para ela como sua filha, de uma certa maneira com o sentido do tempo passado. Ao mesmo tempo, sabemos os planos que ela prepara contra ela.

Podemos dizer que você criou cenas, como da perseguição com os carros, o cenário sendo um precipício, a temática da vingança, no estilo de Hitchcock, cheio de referências.

Anne - Estes são detalhes. A relação com o nevoeiro, por exemplo. Hitchcock é realmente o mestre nessa área. Ele brinca com os códigos, e Pascal Bonitzer, Yves Angelo (o principal articulador) e eu queríamos brincar com os fãs dele enquanto nos divertíamos.


Depois de "Marvin", Branca Como a Neve marca sua segunda colaboração com Yves Angelo.

Anne - O que eu gosto sobre Yves é que sua pesquisa não é apenas sobre fotografia, ele também trabalha com o significado. É alguém com quem posso conversar sobre literatura, romance e música, e nossas conversas vão alimentar de alguma forma o desenvolvimento do filme. Yves e eu trabalhamos extensivamente em cores e estilo para proporcionar ao espectador a sensação de entrar no imaginário enquanto o mergulha em uma relação muito forte com a natureza.

Quais referências você teve para escrever?

Anne Crewdson: rostos de mulheres, corpos, posições. Nós também assistimos a muitos filmes, muito erotismo asiático. "Água Quente Sob uma Ponte Vermelha" (2001), de Shohei Imamura, conta a história de uma mulher que vive à beira de um rio e faz a água sair quando ela está gostando de fazer amor. A falta de naturalismo deste filme me surpreendeu.

Fale mais sobre o trabalho com as cores.

Anne - O vermelho, claro, está muito presente na casa de Maud; um vermelho ardente. A personagem é uma bruxa moderna - ela tinha que ser crível e barroca, e certamente não insinuar um suspense policial. Então, nós respeitamos o código da história fazendo um assassino metafórico: quando ela entra no spa em seu terno vermelho e camisa de seda preta, é uma assassina! Nós brincamos muito com símbolos.

Você gosta de expandir as referências à floresta, inclusive nos itens do mobiliário, como em uma lâmpada de cabeceira no hotel, um urso como abajur, sombras de árvores no festival.

Anne - É obviamente muito subliminar. Tudo conta em um filme. Eu aprendi isso desde o começo. Ao mesmo tempo, nada é pior do que uma decoração muito brilhante. É por isso que o trabalho com a luz é tão importante. Ela deve absolutamente seguir o personagem. Eu tive que fazer alguns filmes antes de perceber isso.

Fale sobre os atores que trabalham contigo nesse filme.

Anne - Benoît Poelvoorde, Vincent Macaigne e Charles Berling fazem parte da minha família. Mas eu estava ansiosa para descobrir outros atores, menos conhecidos do público. Notei Pablo Pauly em "Patients", do Grand Corps Malade e Medhi Idir, e foi Finnegan Oldfield quem me apresentou a Damien Bonnard, o intérprete dos gêmeos. E eu amava o potencial divertido de Jonathan Cohen.

Como você trabalhou com o elenco?

Anne - Eu odeio fazer leituras de roteiro, elas não agregam nada. Por outro lado, eu gosto de ensaios, eu faço há anos e é como se eu já tivesse encontrado - e os atores comigo - parte do tom do filme. Não há exigência de desempenho, nenhuma restrição de resultado, apenas a sensação de encontrar um pouco de ritmo. Três semanas antes das filmagens, com Yves Angelo, levamos uma parte dos atores - Lou, Vincent, Jonathan e Damien - à casa dos Vercors. Eu então trabalhei muito com Isabelle. Seu frescor no trabalho me impressiona. É sempre como se, para ela, tudo pudesse acabar amanhã.

Houve alguma preparação especial para alguém?

Anne - Vincent Macaigne queria tocar violoncelo. Isso requer preparação especial.

Qual a abordagem você deu à comédia no filme?

Anne - A comédia gera um estresse particular, mas o que foi agradável nisso foi a fantasia. Não forçar o público a rir dessa ou daquela cena dá muita liberdade na direção dos atores.

A música de Bruno Coulais tem papel importante no filme.

Anne - Um papel capital! Tinha que ser algo que remetesse à hipnose, ao feitiço, para embalar ainda mais as cenas em que Lou sente precisamente sua sensualidade despertar, a música tinha que entrar em seu corpo. Bruno Coulais trabalhou muito antes. Sua música realmente tem uma função de prazer. Há outra dimensão musical em Branca Como a Neve. Aquela do renascimento de Claire à sua vocação como violinista através da peça de Bach, ela se apresentou com Vincent Macaigne (na verdade, um arranjo de Bruno Coulais para violino e violoncelo na 1ª Suite para violoncelo).

Branca Como a Neve é muito deferente de tudo o que você já fez e você já trabalhou com seus temas preferidos.

Anne - É estranhamente, e quase sem o meu conhecimento, um dos meus filmes mais pessoais. Eu falo sobre a relação com os homens e a fragilidade, a velhice e o tempo, o desejo. Existe uma fórmula? Devemos escolher ou multiplicar, ou o contrário, as experiências? Estas foram as perguntas que eu já estava fazendo em "A Garota de Mônaco" e "Gemma Bovery", essas duas comédias que chamamos de "mudança", que já faziam barulho e que estão mais próximas a Branca Como a Neve. Mas eu sinto que fui mais longe e me permiti fazer um filme que não é uma comédia dramática, nem um clássico filme de comédia. Basicamente, sou um pouco como Claire: levei muito tempo para acordar no sentido amplo da palavra, dizer a mim mesma que poderia fazer alguma coisa.

É possível renovar sem perder nada?

Anne - Muitas vezes me fazem essa pergunta. Por outro lado, eu me pergunto como as pessoas não tentam procurar novos desafios? É mais estimulante, certo? Preciso me surpreender com um novo projeto e até mesmo começar com uma parte da inconsciência, como se a conexão fosse profunda dentro de mim, provocando uma espécie de urgência. Eu já tenho três idéias de filmes diferentes em mente e já estou no set da próxima produção, "Police", um filme metafísico sobre a polícia que reúne Virginie Efira, Omar Sy, Grégory Gadebois e Payman Maadi. Eu não proponho propositalmente um ritmo de trabalho tão constante. Idéias e circunstâncias surgem, eu as realizo.


Ficha técnica
Branca Como a Neve
França - Bélgica | 2019 | 112 min. | Tragicomédia
Título Original - Blanche Comme Neige | White as Snow
Direção - Anne Fontaine
Roteiro - Anne Fontaine, Claire Barré, Pascal Bonitzer
Elenco - Isabelle Huppert, Benoît Poelvoorde, Damien Bonnard
Distribuição: A2 Filmes

Postar um comentário

0 Comentários