Obras da artista visual e atriz Angela Fernandes integram projeto da Velha Companhia

Angela Fernandes & Telas. Foto - Iago Calegari
A artista plástica e atriz Angela Fernandes é autora das telas que ambientam a montagem Casa Submersa e as Intervenções Submersas, que formam o novo projeto teatral da Velha Companhia com texto e direção de Kiko Marques, que estreia no dia 29 de agosto, no Sesc Pompeia.

As pinturas a óleo aparecem no cenário do espetáculo, projetadas pelas técnicas de video mapping e videografismo, bem como integram as 14 intervenções (dirigidas por Angela Fernandes) que acontecem na unidade, paralelamente à temporada de Casa Submersa, que vai até o dias 22 de setembro.

As intervenções resultaram do processo de pesquisa para concepção da peça, durante estudos realizados dentro do projeto Aberto Para Montagem - Sesc Pompeia, em 2018.

São elas:
  • Aperto (com Roberta Azevedo e Priscila Oliveira)
  • Aquário (com Mari Williams)
  • Asfixia (com Igor Ludac e Eli Faria)
  • Convite (com Daniela Schitini)
  • Encanto (com Lígia Fonseca)
  • Início do Jogo (com Caio Campelo e Paulo Vitor Salvino)
  • Justiça (com Lucas Abdo), Museu da Casa Submersa (Vanessa Petroncari), Mergulho (com Miriam Madi e Paulo Vitor Salvino)
  • Núpcias (Gabriela Gama)
  • Origem (com Aléxia Rosa e Igor Ludac)
  • Poeta ou Matador (com Priscila Oliveira)
  • Quando Ainda Não Sei (com Isadora Zimmermann)
  • Vende-se (com Clara Cury).
O trabalho de Angela Fernandes também pode ser conferido na exposição Inferno de Nós, mostra conjunta com o artista Fabio Benetti com curadoria de Iago Calegari, que está em cartaz na Passagem Literária da Consolação, até o dia 05 de outubro.

Imersão - Tela de Angela Fernandes (em Casa Submersa). Foto - Arquivo Pessoal
Sobre a artista

Angela Fernandes é atriz e diretora. Nascida em 1975, em Grandes Rios (PR), Angela vive e trabalha em São Paulo (SP), há 22 anos. Formada em Interpretação e Formação de Atores pela Escola Wolf Maya, atualmente, está em cartaz como atriz e produtora da peça infantil Operetinha do Sapato Falador, com direção de Sandra Corveloni.

Atuou nos espetáculos Café Azedo (também produtora), com direção de Einat Fabel; Só Mais Uma, de Dorothy Parker com direção de Einat Fabel; Doente, baseada na história de Doente Imaginário de Moliére com direção de Sandra Corveloni; L’ilustre Moliére, peça ganhadora de quatro prêmios Shell; e Pedreira das Almas, de Jorge Andrade com direção de Brian Penido Ross; entre outras. Dirigiu, em 2015, a montagem Antes Solteira que Mal Casada, inspirado na obra de Martins Pena, e participou, em 2010 da série 9mm, com direção de Michael Ruman, para o canal Fox.

Em sua obra, opera na relação do eu profundo entrelaçado com a natureza, onde fluxos e destinos são cruzados, imbricados, construindo uma estrutura rizomática de seres e fatos que culminam num todo, diferente de seus componentes. Cada um de seus trabalhos pode ser fragmentado em incontáveis detalhes que nunca se esgotam, sempre levam a diferentes percepções e despertam diferentes sentimentos.

A desordem ordenada em que a natureza se manifesta no trabalho da artista nos remete à ordem desordenada da vida em que, apesar de planos e expectativas, impera a incerteza; em que seres, caminhos, fenômenos e pensamentos são constantemente imbricados num plexo, ao mesmo tempo contínuo e inconstante, que nos faz humanos, seres complexos, vivos.


Imersão - Tela de Angela Fernandes (em Casa Submersa) Foto - Arquivo Pessoal
Exposições

  • Em 2019 - Natureza Viva (individual, Galeria Tribo)
  • Em 2018 - Coletiva Artes Plásticas Novos Talentos (Escola Panamericana), Amigos da Tribo (coletiva, Galeria Tribo), Inconsciência (coletiva, Galeria Tribo) e Despir-se e Vestir-se (Passagem Literária da Consolação)
  • Em 2017 - Estranhas Entranhas (Espaço Elevado), Assemblage Panamericana – A Casa de Antônio (Escola Panamericana) e Ready-Made e Outras Coisas - Projeto Estupido (Escola Panamericana).
Sobre a peça Casa Submersa

Depois das premiadas montagens Cais ou Da Indiferença das Embarcações e Sínthia, Casa Submersa é a peça que encerra a Trilogia das Águas, de Kiko Marques. A pesquisa de criação do texto teve início nas comemorações dos 15 anos da Velha Companhia, em 2018. No enredo, uma bióloga marinha começa a ter surtos de memória corporal e visitas ao inconsciente, em estado de apneia. Num mergulho sem volta terá que visitar o passado de seu país e de sua família. A trilogia nasce em Cais…, numa ilha do Estado do Rio, nos vais e vens das marés e dos barcos, passa pelas águas paradas e pútridas do autoritarismo e repressão, em Sínthia, e fecha no inconsciente de um Brasil submerso, representado por uma casa habitada no fundo de um oceano.

Serviços

Espetáculo Casa Submersa
Datas - 14,  17 a 22 de setembro
Local - Sesc Pompeia - Espaço Cênico
Endereço - Rua Clélia, 93 - São Paulo
Capacidade - 50 lugares
Horário - terça a sábado às 20h e domingo às 18h
Duração - 160 minutos com 15 minutos de intervalo
Ingressos - R$ 20,00; R$ 10,00 (meia-entrada) e R$ 6,00 (credencial plena)
Classificação - 14 anos
Mais informações 11 3871-7700

Performances - Intervenções Submersas
Data - até 22 de setembro
Local: Sesc Pompeia - Convivência
Endereço - Rua Clélia, 93 - São Paulo
Horário - quinta a sábado às 17h e domingo às 16h
Programação e inscrições clique aqui
Grátis

Exposição Inferno de Nós
Artistas -  Angela Fernandes & Fabio Benetti
Curadoria - Iago Calegari
Data - até 05 de outubro
Local - Passagem Literária da Consolação
Endereço - Rua da Consolação esquina com a Av. Paulista (metrô Consolação), s/ nº - São Paulo
Horários - segunda a sexta das 07h às 20h e sábados e feriados das 10h às 20h
Classificação - Livre
Grátis
Mais informações clique aqui

Nenhum comentário