Noite Mágica: comédia e suspense a la Itália



Com direção de Paolo Virzi e distribuído no Brasil pela Imovision, longa integra o festival 8 ½ Festa do Cinema Italiano 2019 e estreia em circuito em 22 de agosto


O ano era 1990. A Copa do Mundo fazia a Itália parar para assistir a cada partida. Em paralelo, em Roma, durante um jogo decisivo, um carro cai no Rio Tibre. Dentro dele estava Leandro Saponaro (Giancarlo Giannini) um famoso produtor de cinema. Os principais suspeitos são três jovens que acabam de vencer um importante prêmio de roteiro.



Antonio Scordia (Mauro Lamantia), Luciano Ambrogi (Giovanni Toscano) e Eugenia Malaspina (Irene Vetere) sonham em se tornar grandes roteiristas, mas também buscam amor, amizade, reconhecimento. Durante a noite em que passam na delegacia de polícia dando depoimento sobre como conheceram e a última vez que estiveram com Saponaro, relembram as aventuras que viveram nos últimos dias em meio aos mestres da fase de ouro do cinema italiano.




Nesta história tumultuosa, divertida e também agridoce, Virzì lança seu olhar sobre uma Itália que estava destinada à vitória, dentro e fora do campo, mas que se perdeu em alguma das tantas histórias e vielas da fascinante Roma e de sua história recente. Com um tanto de olhar autobiográfico, uma vez que Virzì foi um jovem toscano que estudou roteiro em Roma enquanto sonhava em se tornar diretor, Noites Mágicas é um retrato pessoal, irônico, mas também carinhoso da Itália e de seu cinema.

Noite Mágica é um dos destaques da programação do 8 ½ Festa do Cinema Italiano 2019, que traz ao Brasil o melhor da produção recente do cinema italiano (Clique Aqui e confira a programação completa).

Sobre o Diretor

Um dos mais prestigiados diretores do cinema italiano contemporâneo, Paolo Virzì nasceu em Livorno (Toscana) e estudou cinema em Roma. Estreou no cinema como roteirista, trabalhando ao lado de nomes consagrados e em produções como Tempo de Matar (1990), de Giuliano Montaldo, estrelado por Nicolas Cage.

Já em sua estreia como diretor ocorreu com La Bella Vita, em 1994, com o qual conquistou prêmios importantes como o David di Donatello e o Nastro D’Argento, os principais prêmios da classe cinematográfica e da crítica italiana, respectivamente.

Em seguida, com Osvosodo (1997) ganhou de vez o coração do público italiano e Prêmio Especial do Júri do Festival de Veneza com esta comédia que leva o nome de um bairro pobre da cidade de Livorno.

Entre outros destaques de sua cinematografia, sempre com viés humanista, que o cineasta mistura com raro equilíbrio de gêneros como a comédia, o drama e até o suspense, estão Caterina Va in Città (2003), N (Io e Napoleone), de 2006, e Tutta la Vita Davanti (2008), que lança um olhar agudo sobre a vida de uma jovem que trabalha em um call center e tem de lidar com as conquistas e frustrações da vida e do modelo de sucesso do mundo moderno.

Em 2010, com A Primeira Coisa Bela, conquistou um de seus maiores sucessos de público e foi o candidato da Itália a uma vaga no Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Estrelado por Micaela Ramazzotti, o longa também se passa em sua Livorno natal e retrata a conturbada relação de um filho (Valero Mastrandrea) e sua mãe (Micaela e Stefania Sandrelli). O filme recebeu três David di Donatello: Melhor Roteiro, Melhor Atriz (Micaela) e Melhor Ator (Valerio).

Paolo Virzi: um dos mais prestigiados diretores do cinema italiano contemporâneo.
Em 2014, com Capital Humano, baseado no romance do autor norte-americano Stephen Amidon, Vizì viajou ao norte da Itália para narrar a história de duas famílias muito diferentes em crise financeira e ética, construindo um retrato crítico da Itália atual. O longa foi eleito o melhor filme segundo a crítica estrangeira na Itália (o Globo de Ouro), o Nastro D’Argento e também foi o representante da Itália a uma vaga no Oscar.

Em 2016, lança Loucas de Alegria, que conta mais uma vez com Micaela Ramazzotti e Valeria Bruni Tedeschi. Elas vivem duas mulheres que constroem uma amizade improvável, mas forte em meio a um ambiente inóspito de um hospital psiquiátrico. O longa estreou mundialmente na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes e recebeu cinco Nastro D’Argento e cinco David di Donatello, incluindo melhor filme e melhor direção.

No mesmo ano, Virzì se lançou em seu primeiro projeto rodado fora da Itália: Ella & John. Estrelado por Donal Sutherland e Helen Mirren, e inspirado no romance homônimo de Michael Zadoorian, o longa acompanha as férias do casal Ella e John que, como num clássico road movie, lidam com alegrias e aventuras da viagem ao mesmo tempo que encaram os desafios da velhice e revisitam suas vidas.

Noites Mágicas é o mais recente filme do diretor, que nesta trama trata não só da história recente do cinema italiano, mas revisita suas memórias de juventude, quando era um jovem roteirista em Roma em busca de trabalho, histórias de amor e, claro, da oportunidade de fazer seus próprios filmes.

Sinopse


Um grande produtor de cinema é encontrado morto no rio Tibre, e os principais suspeitos são três jovens roteiristas. Enquanto os amigos passam a noite na delegacia sendo interrogados pela polícia, eles revivem sua tumultuada e emocionante jornada pelas ruas de Roma, nos suspiros finais da era gloriosa do grande cinema italiano.


Ficha técnica


Noite Mágica
Título Original - Notti Magiche

Itália | 2018 | 125 min. | Comédia dramática e filme noir
Direção e roteiro - Paolo Virzì
Roteiro - Paolo Virzì, Francesca Archibugi, Francesco Piccolo
Fotografia - Vladan Radovic
Edição - Jacopo Quadri
Música - Carlo Virzì
Produção - Marco Belardi, Ivan Fiorini
Elenco - Mauro Lamantia, Giovanni Toscano, Irene Vetere, Roberto Herlitzka, Marina Rocco
Classificação - 16 anos

Nenhum comentário