Fabrício Boliveira viverá no cinema Luiz Gama em "Prisioneiro da Liberdade"

Com direção de Jeferson De e  filmagens previstas para janeiro, longa contará a história real de um homem negro que de escravo se tornou advogado e abolicionista brasileiro. Zezé Mota, Caio Blat, Dani Ornellas, Samira Carvalho e Teka Romualdo compõem elenco

O Diretor do longa Jeferson De. Foto - Divulgação

Baseada na história real de Luiz Gama, a produtora Paranoid se prepara para filmar no final de janeiro de 2019 o longa-metragem, Prisioneiro da Liberdade, do diretor Jeferson De, o mesmo diretor de Bróder (2010) e O Amuleto (2015). A obra, que tem roteiro assinado por Luiz Antonio F. Neto, será protagonizada por Fabrício Boliveira, além de contar com Zezé Mota na pele de Francisca, negra livre e vendedora de ovos, e Caio Blat no papel de Rui, estudante de direito e admirador do Dr. Luiz Gama, entre outros nomes.

Com roteiro de Luiz Antonio F. Neto, numa coprodução com a Globo Filmes, em associação à Buda Filmes e distribuição da Elo Company, Prisioneiro da Liberdade contará a história de um homem negro que, apesar de nascer livre, é vendido pelo próprio pai aos dez anos em um acerto de dívidas, e sofre na pele tudo o que significa ser um escravo. Esse mesmo homem consegue se alfabetizar, estudar e se tornar um dos mais respeitados advogados da história: um intelectual que conquistou não apenas sua própria liberdade, mas também a de outros 500 escravos nos tribunais, se transformando em ícone da luta pela abolição da escravatura.

“É fundamental apresentarmos, e pela primeira vez no cinema nacional, a biografia de um homem negro e a sua contribuição intelectual para o Brasil. Além disso, precisamos cada vez mais amplificar essa parte da história brasileira, que é tão importante para seu povo, principalmente para nós, afrodescendentes”, conta o diretor que foi apresentado ao roteiro por Heitor Dhalia, cineasta e sócio da Paranoid.

“O filme mostrará a vida de um ser humano com diversos talentos, com uma inteligência fora da curva, um abolicionista, poeta e advogado, apresentando a família e a força de Luiz Gama, que diante de ameaças de morte, não negou a luta por um país justo para todos, tal qual desejamos ainda hoje”, completa Jeferson De.

Com locações em Paraty (RJ), Cunha (SP) e Paratinga (BA), as gravações terão duração de um mês, sob uma equipe e elenco formados majoritariamente por profissionais negros. Além de Fabrício Boliveira, Zezé Mota e Caio Blat, nomes como Dani Ornellas, Francisco Gaspar, Mariana Nunes, Pedro Guilherme, Romeu Evaristo, Samira Carvalho, Sidney Santiago e Teka Romualdo também estão confirmados na obra. Boliveira fará o papel do protagonista na vida adulta, já que o filme abordará ainda fases de Luiz Gama na infância e na adolescência.

“Temos para essa produção grandes nomes e talentos negros e negras que estão sendo fundamentais para consolidar a ideia da grandeza deste filme. Estamos narrando e fazendo a história. É uma grande oportunidade de apresentar Luiz Gama para àqueles que não tiveram a chance de conhecer sua história e seu papel fundamental”, conclui o diretor.

A obra ainda conta com o direcionamento da professora e Dra. Ligia Fonseca Ferreira, uma das maiores pesquisadoras sobre a história de Luiz Gama, responsável pela tese sobre sua vida e obra, a qual foi publicada pela Universidade Sorbonne de Paris. Ligia é também autora de Primeiras Trovas Burlescas de Luiz Gama e outros poemas (Martins Fontes, 2000) e Com a Palavra Luiz Gama, além de ter experiência na área de Letras com ênfase em Luiz Gama, abolicionismo e o negro na literatura brasileira (século XIX- início século XX).

Sobre o diretor

Jeferson De, nascido em Taubaté em 1969, é um dos mais importantes cineastas brasileiros. Dirigiu quatro curtas-metragens, entre eles Carolina (2003), vencedor do prêmio de melhor curta-metragem e prêmio da crítica no Festival de Gramado. Em 2005, lançou o livro Dogma Feijoada, uma análise histórica sobre a produção audiovisual dos negros no Brasil. Sua estreia em longas-metragens se deu em 2011 com Bróder, a partir de roteiro selecionado para o VI Laboratório de Roteiros do Instituto Sundance. O longa, que estreou na Berlinale, foi vencedor de melhor filme e direção em Gramado, além de conquistar cinco prêmios no Festival de Paulinia. Ainda são do diretor os filmes O Amuleto (lançado em 2015), Correndo Atrás (em fase de lançamento) e M-8 (em pós-produção), além de diversas séries e programas para televisão, como Pedro e Bianca, ganhadora do Emmy Kids Awards e Escola de Gênios, lançada no canal Gloob em 2018.

Ficha Técnica


Título: Prisioneiro da Liberdade
Produtora: Paranoid
Coprodução: Globo Filmes
Produtora associada: Buda Filmes
Produtor Executivo Paranoid: Pedro Betti
Assistente de Produção Executiva: Thiago Franco
Marketing: Naná Du Plessis
Produção: Flávia Vendramini
Produtora Executiva: Joelma Gonzaga
Produtora - Buda Filmes: Cristiane Arenas
1° Assistente de Produção Executiva: Luciano Salim
2° Assistente de Produção Executiva: Thatiane Santos Almeida
Diretor: Jeferson De
1ª Ass. Direção: Leo Teatini
2ª Ass. Direção: Jefferson Pinheiro
Continuista: Carol Aó
Diretora de Produção: Sabrina Bittencourt
Coordenadora de Produção: Thais Morresi
1° Assistente de Produção: Gabriela Franca
2° Assistente de Produção: Samuel Lobo
Platô: Brenda da Mata
Produtor de Locação: Lucas Delgado
Assistente de Produção de Locação: Daniel Yassumoto
Produtora de Elenco: Paula Pretta
Assistente de Produtora de Elenco: Liza Menzi
Diretor de Fotografia: Cris Conceição
Diretor de Arte: Thales Junqueira
1° Assistente de Arte: Diogo Balbino
2° Assistente de Arte: Letícia Campos
Coordenadora de Arte: Tyaga Sá Brito
Produtora de Objetos: Clissia Morais
Produtora de Objetos: Chica Caldas
Assistente de Produção de Objetos: Luana Castilho
Cenógrafa: Ciça Cristo
Pesquisadora: Ligia Fonseca Ferreira
Visagista & Caracterizador: Rosemary Paiva
Figurinista: Rosangela Gomes
Som Direto: Gabi Cunha
Coordenadora de Pós-Produção: Deinha Duarte Lopes
Assistente de Edição: Pedro Amaral

Sobre a Paranoid


Produtora dos sócios Heitor Dhalia e Egisto Betti, a Paranoid é reconhecida por grandes projetos audiovisuais desde sua entrada no mercado em 2009. Em 2013 lançou o épico Serra Pelada, dirigido por Dhalia e que fez carreira em diversos eventos do cinema, incluindo o Festival do Rio. Em 2016, a produtora apresentou o primeiro longa da cineasta Vera Egito, Amores Urbanos, selecionado para mais de 15 festivais, entre eles o Festival Internacional de Miami (estreia mundial) e o Festival de Havana, vencendo três prêmios ao redor do mundo, incluindo menção honrosa do Júri no FESTIN 2016 (Portugal). Já em 2017, a Paranoid lançou o primeiro documentário de Heitor Dhalia, Yoga: Arquitetura da Paz, com estreia mundial no Raindance Film Festival. Em 2018 lançou Todas as Razōes Para Esquecer, longa de estreia de Pedro Coutinho, selecionado para o Festival de Havana, Mostra Internacional de Sāo Paulo e Festival do Rio, e, em seguida, Tungstênio, adaptação da premiada história em quadrinhos de Marcello Quintanilha, dirigida por Dhalia. Agora, a Paranoid se prepara para rodar Prisioneiro da Liberdade, de Jeferson De, ao mesmo tempo que trabalha na finalização de Anna, filme de Heitor Dhalia rodado em São Paulo, com previsão de estreia para 2019.



Comentários