CineSesc e Ars et Vita promovem Mostra de Animação Russa



Programação conta coma exibição de 40 desenhos de 20 diretores destinados ao público infantil e adulto, além de outras atrações

O CineSesc apresenta, de 12 a 18 de julho de 2018, a Mostra de Animação Russa, com a exibição de 40 desenhos animados de 20 diretores, realizados entre os anos de 1950 e 2016. O projeto, com a curadoria assinada por Luiz Gustavo Carvalho e Maria Vragova, é inédito em São Paulo. A produção é de Ars et Vita.

Além das sessões de filmes, será realizada a oficina de animação com a diretora e animadora Svetlana Filippova. A mostra conta ainda com o lançamento do livro Tarakã (Baratão), do escritor russo Kornei Tchukóvski, com tradução, pela primeira vez, para o português. O lançamento do livro, realizado em parceria com a Editora Kalinka e editora Hedra, acontecerá no sábado, 14 de julho, às 18h.

O Velho e o Mar" (1999) de Alexander Petrov

Entre os destaques da programação encontra-se o filme "O Velho e o Mar" (1999), de Alexander Petrov, renomado diretor de cinema de animação, vencedor do Oscar por este filme, e que foi indicado novamente ao Oscar por Meu Amor (2006). Outro destaque é "O Conto dos Contos", obra prima de Yuri Norstein, considerado, pela Academia Americana de Cinema, o melhor desenho animado de todas as épocas e povos.

Norstein, por seu estilo poético e filosófico, ocupa um lugar singular na animação russa com obras destinadas às crianças e aos adultos.



O público também poderá conhecer a obra do escritor e poeta infantil Kornei Tchukóvski, considerado o mais importante autor infantil da Rússia. Serão exibidos "Tarakã, o Bigodudo" e "Mukha-Tsokotukha", baseados em livros infantis escritos pelo autor. Outros desenhos que compõem a programação também foram baseados em obras literárias conhecidas de escritores russos e estrangeiros, tais como "O Quebra-Nozes", de E.T.A Hoffmann (com música do compositor russo Piotr Thaikovsky) e "O conto do pescador e do peixinho", baseado na obra de um dos poetas mais importantes russos, Aleksander Pushkin.

Além do cinema clássico, a ex-União Soviética foi uma das maiores produtoras de animações, tradição que ainda perdura na Rússia contemporânea. Por isso, outro destaque do evento será para a obra da animadora Svetlana Filippova, aluna de Yuri Norstein. A autora, diretora e animadora trará para Brasil quatro filmes dela, feitos numa técnica única. Destaque também para o filme "Lavatory-Lovestory", de Konstantin Bronzit, indicado ao Oscar em 2009.

“A mostra é composta, ainda, por outros importantes nomes do cinema de animação soviético e russo e apresenta no Brasil uma produção única que, apesar de ter recebido importantes prêmios na Europa e nos Estados Unidos, ainda não é conhecida no país. 80% dos filmes são da época da antiga União Soviética e o restante da produção de animação contemporânea. Queremos, portanto, levar ao público um importante capítulo da história do cinema de animação universal”, afirma Maria Vragova.

Animação Russa


O cinema de animação infantil tem um papel de grande importância na história cinematográfica da Rússia. A programação da Mostra de Animação Russa oferece ao público brasileiro uma oportunidade singular de conhecer belas produções e importantes nomes da literatura universal, da literatura russa e da música. Cada detalhe dos desenhos animados é realizado por profissionais de alto nível. A música traz composições dos principais compositores daquele país, como Shostakovich, Prokofiev e Gubaidulina, e quem dá voz aos personagens são atores russos de destaque.

Cineastas como Yuri Norstein e Serguey Kozlov baseiam-se em histórias do rico folclore russo ou em contos de Pushkin e Tchukóvski, poeta russo que escrevia para as crianças e que pode ser considerado o Monteiro Lobato russo. Assim, por meio do cinema de animação, o público infantil e adulto é sempre confrontado com diferentes linguagens artísticas, representadas por profissionais renomados.

“O cinema russo foi, sem dúvida, sempre um dos mais expressivos cinemas do mundo e este país contribuiu de maneira singular para o desenvolvimento da sétima arte no século XX. A escola de animação russa é marcada pela exploração de temas mais profundos e poéticos, de grande importância para a sociedade contemporânea, impulsionando os autores e diretores do cinema de animação a buscar novas abordagens temáticas e estéticas no cinema”, afirma o curador Luiz Gustavo Carvalho.