Coletânea de Poemas Tanka da Família Imperial do Japão

Capa do Livro Coletânea de Poemas Tanka da Família Imperial do Japão

Idealizada e traduzida pelos doutores Masato Ninomiya e Sonia Regina Longhi Ninomiya, a obra simboliza e ressalta o elo de união entre o Brasil e o Japão

No próximo dia 11 de maio será lançado em São Paulo, durante a comemoração dos 79 anos do Hospital Santa Cruz, a 'Coletânea de Poemas Tanka da Família Imperial', com 130 poemas. A obra idealizada e traduzida pelos doutores Masato Ninomiya e Sonia Regina Longhi Ninomiya, foi concebida em homenagem aos laços que unem as comunidades japonesa e brasileira para celebrar, além do aniversário do HSC, os 110 anos de Imigração Japonesa no Brasil.

A inauguração do Hospital Santa Cruz em 1939 está diretamente ligada à chegada dos primeiros imigrantes japoneses em solo brasileiro em 1908, quando 781 deles desembarcaram no porto de Santos, em São Paulo. Vindos de Kobe, província de Hyogo, para trabalhar nas lavouras de café do interior paulista, a viagem de 52 dias uniu definitivamente o ‘País do Sol Nascente’ e o ‘Novo País da Esperança’, que possibilitava o desenvolvimento e a prosperidade das famílias que chegavam, resguardadas pelo Tratado de Amizade, Comércio e Navegação entre Brasil e Japão, firmado em 1895.

Trata-se de uma história que emociona os mais de 1,9 milhões de descendentes japoneses que atualmente vivem no País e se integraram à cultura brasileira. “Esse livro-homenagem foi idealizado com o objetivo de levar os sentimentos e os pensamentos da Família Imperial do Japão aos japoneses e seus descendentes que vivem no Brasil e aproximar ainda mais essas duas culturas. Ficamos muito honrados e alegres por poder lançá-lo durante as comemorações dos 110 anos de Imigração Japonesa no Brasil e os 79 anos do Hospital Santa Cruz”, afirma o idealizador e tradutor da coletânea, Dr. Masato Ninomiya.

“Os poemas tanka, que significa poema curto, assim como o haikai, muito conhecido no cenário literário brasileiro, são amplamente praticados pelos japoneses, imigrantes e seus descendentes ao redor do mundo”, acrescenta Dra. Sonia Regina Longhi Ninomiya, também tradutora da obra. “Todo japonês é um poeta. A tradição de escrever é intrínseca à cultura japonesa. Este livro, sem dúvida, tocará o coração e os sentimentos dos japoneses e seus descendentes”, enfatiza. 

A obra reúne poemas compostos por ocasião das visitas de Suas Majestades Imperiais ao Brasil, inspirados em datas importantes, como casamento, nascimento, vida cotidiana da família imperial e visitas a monumentos de Guerra no Japão e no exterior.

O casal Ninomiya ressalta que a grande maioria, no entanto, é de poemas escritos por ocasião da Cerimônia Anual de Recitação de Poemas da Corte Imperial, realizada anualmente no Palácio Imperial no Japão, no mês de janeiro. "Traduzir poesia é sempre um grande desafio e no caso de um poema de tão reduzida metrificação, um desafio ainda maior. Por isso, não consideramos a metrificação do poema na tradução, mas sim nos preocupamos em veicular a sua essência e sua imagética. Acrescentamos algumas fotos alusivas ao conteúdo dos poemas e outras relacionadas e eles. Esperamos proporcionar ao leitor da língua portuguesa um panorama das atividades oficiais, bem como dos sentimentos que constroem a imagem da ilustre família”, complementa Dr.Masato Ninomiya. 

“Nosso core business não poderia ser outro senão o atendimento médico-hospitalar. Porém, está em nosso DNA o compromisso da integração entre Brasil e o Japão, que se faz por meio da arte, da cultura e do intercâmbio de conhecimento, que vai além do segmento da saúde. Por isso, apoiar iniciativas como essa só fortalece o laço que nos une desde a origem do Hospital Santa Cruz. É uma honra poder lançar a ‘Coletânea de Poemas Tanka da Família Imperial’ durante as comemorações do 79º aniversário do HSC", conclui Renato Ishikawa, presidente do Hospital Santa Cruz.

Características da Obra
Para a 'Coletânea de Poemas Tanka da Família Imperial do Japão’ foram selecionados 130 poemas, sendo 120 escritos pelo Imperador Akihito e a Imperatriz Michiko, e dez compostos pelos filhos do casal, o Príncipe herdeiro Naruhito e sua esposa, a Princesa Masako; o Príncipe Fumihito e sua esposa Kiko e sua filha mais velha Mako, como também pela princesa Nori, hoje Sra. Sayako Kuroda.

Tanka é um poema de 31 sílabas, distribuídas em cinco metros, obedecendo a sequência de metros de cinco, sete e cinco sílabas, e de sete e sete sílabas. Cada um dos cinco metros corresponde a uma unidade sintática e de enunciação. Essa métrica sobrepôs-se às outras métricas da poesia clássica japonesa e passou a ser sinônimo de waka, poema japonês, em contrapartida ao kanshi, poema chinês, gêneros poéticos praticados no Japão desde o século VII.

Sobre a Família Imperial
A família imperial do Japão é considerada a mais antiga do mundo, remontando, de acordo com a mitologia, ao século VII a.C. O imperador Akihito é o 125º de uma dinastia iniciada há 2.600 anos e é o único a manter este título atualmente. Os imperadores japoneses são a mais alta autoridade da religião xintoísta e, como sua família, são vistos como descendentes da deusa Amaterasu.

A Família Imperial Japonesa esteve no Brasil em algumas ocasiões especiais, como em 1967, quando da visita do então príncipe herdeiro e hoje imperador Akihito e sua esposa Michiko. Em 2015, o Príncipe do Japão, Sua Alteza Imperial Akishino – segundo na sucessão do trono –, e sua esposa, a princesa Kiko, visitaram o Hospital Santa Cruz.

O atual Príncipe Herdeiro, Naruhito, esteve no Brasil em março de 2018 para o Fórum Mundial da Água, em Brasília, e já tinha vindo ao País em duas datas anteriores, em 1982 e 2008. No 21º Festival do Japão, que vai acontecer de 20 a 22 de julho, em São Paulo, a família Imperial do Japão deverá enviar uma representante da Corte, a neta mais velha do Imperador, filha do irmão do Príncipe Herdeiro, a Princesa Mako.
Confira alguns poemas da coletânea:

Sobre o tema Caminho
Naquele momento, na bifurcação do caminho, aquele que eu não tomei, para onde me teria levado? Escrito pela Imperatriz Michiko em 1997.

Ao longo do caminho já longínquo, percorrido por vocês imigrantes, quantas floradas os ipês já teriam tido... Escrito pela Imperatriz Michiko, em 1997

Sobre o tema Margem
Como estariam essas praias ao serem engolfadas pelo tsunami... o mar que hoje vislumbro é azul e é tranquilo. Escrito pelo Imperador Akihito
Sobre o tema Brasília
Da janela da aeronave que se aproxima, vejo a capital Brasília em meio às terras vermelhas do cerrado. Escrito pelo Imperador Akihito

Sobre o tema Brasil
A cerimônia, repleta de descendentes da Terra do Sol Nascente, vibra em um crescendo sob o céu do Brasil. 

Nesta terra estrangeira me encontro com pessoas que compartilham o sangue dos meus ancestrais... com elas relembro a passagem desses 70 anos.

Poemas compostos pelo Príncipe Herdeiro, Akihito, quando da participação de Suas Altezas Imperiais na Cerimônia do 70º Aniversário da Imigração Japonesa para o Brasil, em 1978.

Sobre o tema Rio
O destino para onde flui esta água é o estuário do Rio Amazonas. Ao colocar a mão na correnteza sinto o frescor do tato... Escrito pelo então Príncipe Herdeiro Akihito.

Tenho apreço por esse país de terra roxa...O rio Amazonas corre por onde moram nossos patrícios. Escrito pela então Princesa Michiko.

Tema dado por Sua Majestade, o imperador Showa, por ocasião de Cerimônia Anual de Recitação de Poemas da Corte Imperial, em 1968.

Comentários

Portal Primus FM: por dentro do que acontece.