Presos resenham livros da Editora Carambaia em campanha da Artplan

Logo do Projeto
Projeto Resenha Livre usa resenhas produzidas por presidiários na comunicação da editora. Exposição com os materiais acontecerá na próxima quinta

Segundo a última pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, conduzida pelo Ibope, o Brasil tem 56% de leitores, e o brasileiro lê menos de cinco livros por ano. É muito pouco. Enquanto isso, pesquisa realizada no Distrito Federal revelou que os presidiários leem nove vezes mais do que a média nacional. Após uma Recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), presos de todo país têm tido oportunidade não apenas de ler os mais variados títulos como também de produzir resenhas desses livros. Cada uma dessas resenhas é avaliada por uma comissão e pode resultar em quatro dias de remição da pena.

Poster Homens em Guerra
Imagem - Divulgação
Agora, essas sinopses e análises ganham vida, voz, imagem e conteúdo por meio do projeto Resenha Livre, criado pela agência Artplan para a Editora Carambaia. Para apoiar a leitura e a produção de resenhas entre os detentos e mostrar que eles têm um perfil diferente do que muita gente imagina, dezenas de livros da editora foram doados para o Centro de Progressão Penitenciária de Hortolândia. Lá, a educadora Elisande de Lourdes Quintino de Oliveira conduz rodas de leitura e de produção de textos críticos entre os detentos. Os textos produzidos por eles foram utilizados em diversos materiais de comunicação da editora, como anúncios de revista, pôsteres em livrarias, posts para redes sociais, spots de rádio, marcadores de livros, entre outros.

Além disso, um minidoc, produzido pela produtora Videocubo, mostra a experiência dos presos participantes do projeto, com depoimentos de como tiveram suas vidas e pensamentos mudados com esta ação. "Num momento em que a intolerância e a segregação parecem ganhar força, achamos importante apoiar um projeto de inclusão, principalmente para um dos grupos mais marginalizados socialmente e culturalmente", ressalta Fabiano Curi, Editor da Carambaia.

Resenha Original
Imagem - Divulgação
“A Carambaia é uma editora voltada para quem é apaixonado por leitura, e descobrimos que ninguém lê mais do que os presos. Ao dar voz a eles e utilizarmos os textos que produziram, mostramos para a sociedade que eles são seres pensantes, críticos, com opiniões próprias, que devem ser respeitadas. Além disso, damos visibilidade ao lindo trabalho da Elisande no presídio de Hortolândia”, afirma Marcos Abrucio, Diretor de Criação da Artplan.

Para lançar o projeto a Editora Carambaia promoveu uma exposição com os materiais produzidos pelos detentos e a exibição do minidoc no EBAC, Escola Britânica de Artes Criativas. O evento contou com um bate-papo com a professora Elisande, Fabiano Curi, editor da Carambaia; Marcos Abrucio, Diretor de Arte da Artplan e Diogo Dias de Andrade, Diretor da Videocubo.

Confira o Minidocumentário do Projeto Resenha Livre


Comentários