A-Vós segue em temporada em São Paulo

Foto - Divulgação
Rituais funerários dos índios Bororos, dança butô e narrativas dos minkisi são alguns dos elementos do espetáculo A-VÓS. Apresentações gratuitas acontecem até o dia 27 de maio

Diante de uma sociedade ocupada com a satisfação imediata de seus desejos - que esquece o passado e projeta a novidade ao invés do futuro, que consome desenfreadamente e descarta sem pudores o que considera obsoleto, trazendo no próprio corpo o horror ao envelhecimento - reverenciar os “nossos velhos” vai na contracorrente e assume-se um ato estético-político.

Até o dia 27 de maio, importantes espaços da cidade de São Paulo recebem o espetáculo de dança A-VÓS, uma homenagem da Nave Gris Cia Cênica àqueles que os precederam, aos pais de seus pais e aos seus ancestrais míticos. Serão mais 12 apresentações gratuitas divididas entre o Teatro Cacilda Becker e espaços como Galeria Olido, Centro de Referência da Dança e Fábrica de Cultura Jardim São Luís.

A pesquisa e criação do espetáculo iniciou-se de forma independente em novembro de 2015, em parceria de Kanzelumuka e Murilo De Paula, da Nave Gris, com o bailarino Fredyson Cunha. No final de 2016 o projeto foi contemplado pela 21º Edição do Programa de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo, o que possibilitou a criação e produção do espetáculo. A ideia partiu da vontade dos três criadores-intérpretes de homenagearem seus avós, criando um espetáculo que tem como matéria poética as memórias que guardam de seus mais velhos, em especial da gestualidade e imaginário presentes em seus ofícios, que os conecta com a ancestralidade e com a forma de transmissão de saberes presentes nas comunidades de tradições afro-brasileiras e ameríndias, em que os anciãos e os ancestrais são as fontes vivas do conhecimento.

O espetáculo abre espaços para que a relação com a memória e a percepção cíclica do tempo, em que o mais velho se liga ao mais novo, contraponham uma relação linear com o tempo, que só valoriza o momento presente regido pelo consumo, pelo desejo insaciável pela novidade e desvalorização dos saberes transmitidos pelos nossos mais velhos, explica Murilo De Paula, um dos criadores-intérpretes do espetáculo. Queremos chamar a atenção para a sabedoria dos avós, para seus ofícios manuais, para a importância da ancestralidade.

A alfaiataria, o bordado, a marcenaria, a construção civil, a música e o canto, ofícios dos avós dos artistas da companhia, foram inspirações na criação da gestualidade que compõem o espetáculo. A trilha de seus afetos mais íntimos também os leva ao encontro dos “avós do mundo”, ancestrais que habitam o mistério e os mitos. Evocados na encruzilhada dos caminhos trilhados por cada bailarino-criador, onde o contato com os rituais funerários dos índios Bororos, com a dança butô e com as danças e narrativas dos minkisi são ressonâncias que serviram como chaves para a abertura de um espaço-tempo mítico. 

Além deste espetáculo, a Nave Gris Cia Cênica também realizou, através deste projeto contemplado pelo 21ª Edição de Fomento à Dança, a circulação dos trabalhos Minha Cabeça me Salva ou me Perde e Brevidade, além do II Encontro Mulheres Negras na Dança (vencedor do Prêmio Denilto Gomes 2017, na categoria Projeto de Dança, e indicado ao APCA 2017, na categoria Projeto/Programa/Difusão/Memória), que contou com espetáculos, workshops e uma exposição fotográfica.

A-VÓS ainda contará no dia 20 de maio, na Galeria Olido, com o show Cantos de Avós, com Paulinho Gama e Adelita - avós de um dos artistas criadores do espetáculo. A dupla, em atividade desde 1968, que comemora este ano 50 anos de carreira, realizou gravações de sucesso, como as músicas "Para Pedro" e composições próprias, como "Moça Bonita", "Casinha Branca", "Paraná Querido", "Blusa Amarela", entre outras. Em um encontro caloroso com o público, a dupla levará ao palco um repertório composto pela música caipira, o sertanejo raiz e ritmos tradicionais gaúchos, além de partilhar com o público um pouco de suas histórias e trajetória.

Ficha técnica
Espetáculo A-VÓS
Pesquisa e concepção do espetáculo - Nave Gris Cia Cênica
Criadores-intérpretes - Fredyson Cunha, Kanzelumuka e Murilo De Paula
Orientação artística - Sayonara Pereira
Estagiária - Inessa Silva
Concepção sonora e musical - Daniel Maia
Operação de som - Viviane Barbosa
Show musical - Paulinho Gama e Adelita
Iluminação e operação de luz - Diogo Cardoso
Concepção do cenário - Murilo De Paula
Pintura artística cenográfica - Cesar Rezende Santana (Basquiat) e Murilo De Paula
Figurino - Éder Lopes
Registros fotográficos - Mônica Cardim
Produção executiva - Rochele Beatriz (Guria Q Produz)
Assistência de produção - Antônio Franco
Assessoria de imprensa - Iara Filardi
Design gráfico - Caco Bressane
Agradecimentos - Cia Teatro Balagan, A Próxima Companhia, Sesc Arsenal (Cuiabá/MT) e Unaluna - Pesquisa e Criação em Arte.

Serviços
Teatro Municipal da Lapa Cacilda Becker
Data - 20, 21 e 22 de abril de 2018 - Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h
R. Tito, 295 – Vila Romana - Fone: (11) 3864-4513
Gratuito
Classificação etária - Livre
Lugares - 198
Estacionamento - não

CRD - Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo
Data - 26, 27 e 28 de abril de 2018 - Quinta, sexta e sábado às 19h
Baixos do Viaduto do Chá, s.n., Centro – Fone: (11) 3214-3249
Gratuito
Classificação etária - Livre
Lugares - 65
Estacionamento - não

Sala Paissandu – Centro Cultural Municipal Olido
Data - 17, 18, 19 e 20 de maio de 2018 - Quinta, sexta e sábado às 20h e domingo às 19h (dia 20 após espetáculo show Cantos de Avós, com Paulinho Gama e Adelita)
Av. São João, 473 - Centro - Fone: (11) 3331-8399
Gratuito
Classificação etária - Livre
Lugares - 236
Estacionamento: não

Fábrica de Cultura Jardim São Luís
Data - 26 e 27 de maio de 2018 - Sábado e Domingo às 16h
R. Antônio Ramos Rosa, 651 - Jd. São Luiz - Fone: (11) 5510-5530
Gratuito
Classificação etária - Livre
Lugares - 260
Estacionamento - não

Comentários

Portal Primus FM: fique por dentro