Fundação Japão e Cinemateca Brasileira promovem debate sobre o papel feminino no cinema, com exibição de clássico de Yasujiro Ozu

Cena do filme Fim de verão 

O evento conta com participação da pesquisadora japonesa Chika Kinoshita e mediação de Olga Futemma, Coordenadora Geral da Cinemateca Brasileira

No próximo dia 7 de março, véspera do Dia Internacional da Mulher, a Fundação Japão e Cinemateca Brasileira promovem o evento "A participação feminina no universo do cinema japonês". Trata-se de uma rara oportunidade de conhecer em detalhes o papel feminino no cinema e na sociedade japonesa ao longo dos anos, por meio de uma grande estudiosa do cinema japonês.

A professora Chika Kinoshita, da Universidade de Quioto, é uma das principais pesquisadoras do cinema japonês e de gênero e sexualidade na cinematografia daquele país, além de especialista na obra do cineasta Kenji Mizoguchi. Com tradução consecutiva, falará sobre a presença da mulher não apenas nas tramas, mas também na direção de filmes ao longo da história do cinema japonês, debatendo os possíveis motivos para o número restrito de representantes femininas neste universo.

O debate será mediado por Olga Futemma, Coordenadora Geral da Cinemateca Brasileira.
Após o debate, será exibido o clássico Fim de verão (Kohayagawa-ke no aki, 小早川 家 の 秋), penúltimo filme dirigido por Yasujiro Ozu, em cópia 16mm com legenda em português.

O evento é gratuito e aberto ao público, que deverá retirar senhas uma hora antes do início da exibição do filme.


Clique aqui para mais informações ou ligue 11 3512.6111


Sobre Chika Kinoshita
Professora da Universidade de Quioto, a pesquisadora Chika Kinoshita fez graduação e mestrado pela Universidade de Tóquio, concluindo doutorado no Departamento de Línguas e Civilizações do Leste Asiático, do Comitê de Cinema e Estudos de Mídia da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos.
Especialista no cineasta Kenji Mizoguchi e em estudos de gênero no cinema japonês, publicou um livro (em japonês) sobre o diretor pela Hosei University Press, em 2016.
Possui diversos artigos, livros e capítulos publicados, entre eles o mais recente, "Something More Than a Seduction Story: Shiga Akiko's Abortion Scandal and Late 1930's Japanese Film Culture," publicado em Feminist Media Histories 1, em 2015.

Sobre Olga Toshiko Futemma
Graduada em Comunicação Social/Cinema em 1974, com mestrado em Estéticas Audiovisuais, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP), Olga Futemma dirigiu e editou diversos curtas-metragens entre 1972 e 1990. A grande maioria deles, com temáticas envolvendo movimentos sociais e a imigração japonesa no Brasil. Desde sua graduação, atua como pesquisadora do cinema brasileiro, primeiramente na Secretaria de Cultura da Cidade de São Paulo e, desde 1984, na Cinemateca Brasileira, onde atualmente ocupa o cargo de coordenadora geral.

Serviço

Debate
A participação feminina no universo do cinema japonês
Com a pesquisadora Chika Kinoshita, mediado por Olga , seguido de exibição do filme "Fim de Verão"
Data: 7 de março de 2018 (quarta-feira)
Horário: 19 horas
Local: Cinemateca Brasileira - Sala Petrobrás (104 lugares)
Endereço: Largo Senador Raul Cardoso, 207 - Vila Clementino, São Paulo-SP
Classificação: Livre
Debate com tradução consecutiva
Ingressos gratuitos (Retirada de senhas na bilheteria, uma hora antes do início do debate)

Filme
Fim de verão (Kohayagawa-ke no aki) - 1961/103 min/cor/16mm

Dirigido por: Yasujiro Ozu
Roteiro - Kogo Noda, Yasujiro Ozu
Fotografia - Asakazu Nakai
Diretor de Arte - Tomoo Shimogawara
Música - Toshiro Mayuzumi
Produção - Sanezumi Fujimoto, Masakatsu Kaneko, Tadahiro Teramoto
Legendas em português

Sinopse
Ao longo de muitas gerações, a família Kohayagawa esteve envolvida com a fabricação de saquê. Com o fim da guerra, no século 20, e o aumento da concorrência, a família, liderada pelo patriarca Manbei, se viu forçada a realizar fusão com uma grande adega.


Ao lado de Manbei, um senhor incorrigível, que sempre conduziu sua vida de forma alegre durante a juventude, estão Akiko, a viúva de seu filho morto; Fumiko, sua filha mais velha, ao lado de seu marido, que administra o negócio da família; e Noriko, sua segunda filha, ainda solteira. Com o decorrer da trama, histórias paralelas surgem, como as tentativas do irmão de Manbei em conseguir um novo casamento para Akiko, o futuro marido de Noriko, escolhido pela família, e também o relacionamento extraconjugal e uma segunda família mantida pelo patriarca.

Comentários