Estreia: ‘Dioniso – A vida indestrutível’

Cia. Coexistir de Teatro  FotoMarília Lino 
Dioniso é o segundo espetáculo da trilogia “Vida e Morte”, que teve início com a peça
“A Jornada de Orfeu”

Para dar sequencia a trilogia "Vida e Morte", o primeiro espetáculo foi “A Jornada de Orfeu”, encenado em 2013 e que ficou dois anos em cartaz no Cemitério do Redentor, a Cia. Coexistir de Teatro apresenta agora a tragédia de “Dioniso - A vida indestrutível”. As apresentações serão aos sábados, a meia noite, no Teatro Estação Satyros.

O espetáculo aborda aspectos desconhecidos ou pouco explorados de Dioniso – o deus da natureza, da transformação, do teatro - dada à complexidade paradoxal do mito grego. Como um deus da vegetação, ele mantém estreita relação com o sofrimento, a morte, a ressurreição e a iniciação, sendo dinâmico e soteriológico, isto é, trata da salvação humana.

Dioniso, filho de Zeus, foi morto duas vezes, rejeitado e sobreviveu dentre todas as dificuldades que lhe foram impostas. Foi gerado na coxa de seu pai e não teve contato com o universo materno. Por isso busca nas mulheres esse materno perdido, seu feminino ferido. Como deus estrangeiro – aquele que vem de fora, ele se faz necessário, pois não faz distinção de cor, raça, gênero e condição entre as pessoas, que assim como ele, buscam ser reconhecidas.

Segundo a diretora, Patrícia Teixeira, “o espetáculo celebra de forma ritualística, a reedição do mito da cultura clássica grega - berço da civilização ocidental – propondo pontes com a nossa cultura, que tem em seu cerne, a presença do negro e do índio, valorizando o humano por meio do mito, independente das diferenças, modos e estilos culturais, que geram o preconceito, a intolerância e a falta de respeito".

Ao eleger o mito de Dioniso, a Cia. Coexistir de Teatro busca um possível caminho para reflexão dos tempos atuais e traz como mote os seguintes questionamentos: “Como lidar com as nossas tragédias pessoais e sociais? Transformamos ou sucumbimos?” “Como reconhecer o que já está incluído?”. 

O espectador será convidado a rever a forma como lida com suas tragédias, a entender que ser é ser com o outro e que é preciso morrer para germinar. Esse é o movimento constante da vida, que a todo instante nos leva a revermos o que somos e o que também queremos ser.

Sobre a Cia. Coexistir de Teatro
A companhia Coexistir de Teatro existe desde 1999. Sob a direção da psicóloga junguiana e diretora de teatro Patrícia Teixeira, a Coexistir parte da ideia do ‘’existir junto’’ no palco com partes esquecidas, renegadas, fixadas e desconhecidas do ator por meio das personagens e da constelação do tema do espetáculo na vida dos próprios atores, enquanto expressão arquetípica.

Ficha Técnica
Dramaturgia e Direção Geral - Patrícia Teixeira
Atores - criadores - Diego Garcias, Fellipe Defall, Guilherme Ribeiro, Janaína Reis, Mariane Mastrella, Patricia Britto, Patrícia Castilho, Roberto Farias, Thais Galdino, Taís Medeiros, Thayara Cristine e Sandra Crobelatti.
Figurino e Adereços - Gislaine Oliveira
Iluminação - Beato Ten Prenafeta
Coreografias - Criação coletiva Cia. Coexistir.
Preparação do elenco - colaboradores - Marcos Callia - Laboratório dos Sonhos e Imaginação Ativa; Leandro Dona (1ª Fase) e Thais Galdino (2ª Fase) - preparação corporal.
Técnica de Som - Talita Alecrim
Co-Produção: Amanda Leones - Versa e Michele Lara – Ebenézer

Serviço
Dionisio - A vida indestrutível (Cia. Coexistir de Teatro)
Local - Teatro Estação Satyros
Endereço - Praça Franklin Roosevelt, 134 - Centro, São Paulo - SP
Temporada - 3 de março a 28 de abril de 2018
Dia - Sábados
Horário - 23h59
Ingressos - R$ 40,00 (inteira). Meia-entrada para estudantes, idosos e classe artística.
Lotação - 60 pessoas
Duração - 80 minutos
Classificação: 14 anos































Comentários

Portal Primus FM: fique por dentro