Michel III - Uma Farsa à Brasileira estreia no Teatro dos Arcos

Elenco de Michel III - Uma Farsa à Brasileira
Foto - Pedro Tavares
Fatos recentes da política brasileira inspiram a peça Michel III - Uma Farsa à Brasileira

O espetáculo “Michel III – Uma Farsa à Brasileira” estreia dia 06 de janeiro no Teatro dos Arcos e ficará em cartaz aos sábados e domingos, às 19hs, até 28 de janeiro, com entrada franca. Escrita por Fabio Brandi Torres e dirigida por Marcelo Várzea, a montagem tem como personagem central Michel, um aspirante ao trono, cansado de viver em segundo plano, que resolve conspirar para assumir a coroa.

Esta é a última peça da primeira edição do projeto Berçário Teatral, que iniciou em agosto de 2017, e realizou seis montagens teatrais com o objetivo de revitalizar o Teatro dos Arcos. A ideia partiu do curador do projeto e diretor artístico do Teatro dos Arcos, Ian Soffredini, de criação um texto que tratasse da política brasileira, usando personagens das peças de William Shakespeare. Ele convidou o dramaturgo Fabio Brandi Torres para desenvolver o texto. O autor se inspirou em “Rei Lear”, “Macbeth”, “Ricardo III”, “Romeu e Julieta”, “Júlio César”, “Hamlet” e até “Sir Thomas More” (texto inédito em português), entre outras obras de Shakespeare, para revisitar o período histórico brasileiro do final do segundo mandato de Lula, passando pelo processo de impeachment de Dilma Rousseff, até o momento presente. O título Michel III remete a Michel Temer, o terceiro vice que se tornou presidente após a redemocratização. 

Num ambiente de intrigas e obscuridades, cada personagem das cenas shakespeareanas tem o seu equivalente na política brasileira. Nesta sátira, os personagens fazem referência a figuras protagonistas do jogo político, além de Michel Temer: Lula, Dilma Rousseff, Marta Suplicy, Marina Silva, Eduardo Cunha, Romero Jucá, Sergio Moro; empresários como Marcelo Odebrecht e Joesley Batista; e Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment.

“Michel III – Uma Farsa à Brasileira” usa a comédia como instrumento de crítica e observação do jogo de forças políticas que inclui acordos partidários e seus respectivos rachas de antigas alianças, políticos que são descartados na briga pelo poder, povo revoltado e dividido por posições extremistas. Áudios “vazados”, notícias falsas, memes na internet, delações premiadas, condenações de governantes, enfim, o que compõe o cenário político. “Foram necessários quatro meses de pesquisas sobre os fatos históricos para escrever a peça que fala de ambição e poder, fazendo a relação com os textos de Shakespeare”, explica Fabio Brandi Torres.

O autor acredita que a peça oferece diferentes níveis de leitura e compreensão, conforme o interesse na observação do jogo político e conhecimento da obra de Shakespeare. “Quem não conhece a obra de Shakespeare e não se atentou para os fatos políticos vai entender a trama porque a história que é contada trata de um assunto universal. Mas quem tem referências da dramaturgia e observou os fatos políticos vai perceber mais detalhes”, diz.

O diretor Marcelo Várzea conta que se interessou em participar do projeto porque considera importante preservar a democracia e o poder do voto. “A peça fala de um trono que foi usurpado. Nós, no nosso país, estamos cada vez mais treinados a desvendar o que há por trás dos discursos políticos. A peça também favorece este exercício. Faz rir e, principalmente, faz pensar. Este é meu propósito: insuflar a análise crítica, sem a presença de heróis”, diz o diretor.

O texto evita tomar partido por um dos lados da disputa política, fugindo da polarização. Mas expõe os fatos de maneira que o público possa tirar as suas conclusões. Um dos assuntos tratados é a pedalada fiscal, que foi a justificativa para o afastamento da ex-presidente Dilma. As pedaladas foram legalizas dois dias após o impeachment, quando o governo de Michel Temer sancionou mudanças na lei orçamentária. Este fato está parodiado no texto de Fabio como a Cavalgada dos Fiscais.

Sobre o autor 
Fabio Brandi Torres é diretor teatral, dramaturgo e roteirista. Foi vencedor por duas vezes do prêmio de Melhor Autor do Festival de Teatro Curta/SESI (2000 e 2002) e três vezes indicado como Melhor Autor ao Prêmio Coca-Cola FEMSA de Teatro Jovem (“A Matéria dos Sonhos”, 2004, “Ciranda das Flores”, 2009 e “Pandolfo Bereba”, 2013). Também foi indicado ao Prêmio Shell 2005, como Melhor Autor, por “O Mata-Burro”. 
Seus textos já foram apresentados em Portugal, Espanha, Estados Unidos e Cabo Verde, e encenados por Isser Korik (“Revistando”, “Grandes Pequeninos” e “A Pequena Sereia”), Iacov Hillel (“Prepare seu Coração” e “Tutto Nel Mondo è Burla”), Val Pires (“Medida por Medida”), Caco Ciocler (“Vão Livre”), André Garolli (“Trama da Paixão” e “O Mata-Burro”), William Gavião (“Respeitável Público?” e “Macbeth”) e Rosi Campos (“Se Casamento Fosse Bom...”). 

Sobre o diretor 
Marcelo Várzea é ator e tem uma sólida carreira no teatro onde se destacou como protagonista de diversos espetáculos, dirigido pelos maiores nomes de encenadores brasileiros.
Atuou em musicais de sucesso, como, “Cazuza”, “Elis”, “Rock in Rio-o Musical” e “O Musical da Bossa Nova”. Protagonizou a lendária montagem de Gabriel Villela para “A Ópera Do Malandro”, vivendo o malandro Max Overseas; atuou em séries de TV fechada (HBO, FOX, Multishow, Netflix e GNT). 
Na TV Globo esteve no elenco das obras “A Lei do Amor”, “Malhação”, “Separação”; “Força de um Desejo”, “Um Só Coração”, “JK” e “Insensato Coração”. Na mesma emissora, fez participações em “Os Normais”, “A Diarista”, “Sob Nova Direção”, “Toma Lá, Dá Cá”, “Casos e Acasos“ e “Retrato Falado”, entre outras obras. 
Marcelo também é dramaturgo, preparador de atores e já dirigiu diversos eventos corporativos. Foi assistente de direção de novelas, comandou os 3 anos de sucesso do projeto de atores/cantores “Segundas Intenções”. Dirigiu o musical “Do Kitsch ao Sublime“, o drama “Aquário com Peixes” entre outros espetáculos.

Ficha técnica
Michel III - Uma Farsa à Brasileira
Texto - Fabio Brandi Torres
Direção - Marcelo Varzea
Elenco - Marcelo Diaz, Amazyles de Almeida, Martha Meola, Fabiano Medeiros, Lena Roque e Michel Waisman
Assistente de direção - Tadeu Freitas
Direção de movimento - Erica Rodrigues 
Trilha sonora - Andre Ha 
Iluminação - Lena Roque 
Figurino - Vanessa Wander e Larissa Paulino 
Visagismo - Igor Miranda 

Serviço
Michel III - Uma Farsa à Brasileira
Local - Teatro dos Arcos - Rua Jandaia, 218. Bela Vista. Tel: 11 3101-8589
Estreia - 06 de janeiro de 2018 
Temporada até - 28 de janeiro de 2018
Apresentações - sábados e domingos, às 19h. 
Capacidade - 70 lugares 
Ingresso - Grátis (entrega de convites no local uma hora antes da sessão) 
Duração - 70 minutos
Classificação - 12 anos

Comentários

Portal Primus FM: fique por dentro