Thelma: É melhor não contrariar

Reprodução Cartaz
Que tal toda vez que você não gostar de uma situação ou de alguém que não suporta fechar os olhos e fazer isso simplesmente sumir? Sonho de qualquer mortal, certo?


É exatamente isso que Thelma faz, mas antes sofre e muito! O novo filme de Joachim Trier com roteiro assinado por ele e Eskil Vogt é um suspense leve e sem muitas surpresas, mas fica o recado, também de forma leve e suave, de que quem não está inserido no contexto do politicamente correto sofre pra caramba.

Ambos encontraram, de forma sutil, mostrar o fato de muitas pessoas sofrerem com seus traumas e não se aceitarem como são, ou melhor, como querem ser aceitas.

KayaWilkins e EiliHarboe Foto - Motlys 
Thelma (Eili Harboe) é uma jovem tímida, reprimida e oprimida, que acaba de deixar a casa dos pais para estudar em Oslo. Na faculdade, conhece Anja (Kaya Wilkins) e descobre, no seu entender, o que é o amor. Abalada por esse sentimento ela se sente culpada e se castiga. A partir daí, seu relacionamento logo é afetado pela intromissão opressiva de sua família, que com suas crenças religiosas conseguem abalar a vida da jovem. Aí é que o bicho pega! Thelma quando fica nervosa e chateada, coisas estranhas começam a acontecer e esses fenômenos sobrenaturais só causam sofrimento.

 EiliHarboe Foto - Motlys 
O filme foi selecionado para concorrer ao Oscar 2018, representando a Noruega, de melhor filme estrangeiro e estreia nos cinemas brasileiros no dia de 30 de novembro de 2017.

Gostei, mesmo não sendo muito fã do gênero.

Confira o trailer do filme



Ficha técnica
Thelma
Título Original - Thelma
Gênero - Suspense
Noruega - França - Dinamarca - Suécia
Direção - Joachim Trier
Roteiro - Joachim Trier, Eskil Vogt
Elenco - Eili Harboe, Kaya Wilkins, Henrik Rafaelsen
Distribuição - Mares Filmes

Comentários


Fque por dentro