Equipes enxutas x Projetos sempre maiores = Estresse!

Dados divulgados pela Previdência revelam que o número de licenças concedidas a pessoas com estresse cresceu 28% no primeiro semestre deste ano. Especialista afirma que é hora de rever hábitos e dá dicas para quem quer evitar o problema.

Apenas nos primeiros seis meses deste ano, 109 mil profissionais receberam auxílio-doença por conta de efeitos gerados pelo estresse, contra 85 mil casos registrados mesmo período de 2010. E não é só isso: estudo realizado pela unidade brasileira da International Stress Management Association (Isma-BR), associação especializada na prevenção e estudo do estresse, aponta que 70% da população economicamente ativa do país já sofre com o problema.

Na opinião de Anderson Cavalcante, administrador de empresas e especialista em desenvolvimento das competências humanas, práticas adotadas pelo mercado devem ser repensadas. “Jornadas permanentes que ultrapassam 10 horas por dia e acúmulo de tarefas são fatores cada vez mais presentes no cotidiano das empresas e a pergunta que fica é: está valendo à pena? Ao que tudo indica, a resposta é não. Ao invés de verem seus resultados melhorando, as organizações estão fazendo com que seus colaboradores fiquem desmotivados, sem energia e incapacitados de buscarem as metas estabelecidas”, comenta.
 
Entre as recomendações para diminuir os níveis de estresse, o especialista dá dicas que podem ser aplicadas ao dia a dia. “O trabalho deve ser uma atividade prazerosa, não uma tortura. Além de cuidados com pontos básicos, como alimentação e realização de atividades físicas, o profissional deve refletir sobre pontos como produtividade e a importância atribuída ao que se faz. Questões como ‘trabalho com foco no resultado ou acabo desviando das minhas metas e acumulando tarefas com as quais não preciso me preocupar?’ e ‘meus valores e objetivos estão alinhados às exigências da empresa em que estou atualmente?’ podem ajudar”, aconselha. Para o RH, a recomendação é equilibrar de forma mais harmônica a quantidade de trabalho ao número de profissionais de cada área. “Os gerentes, por exemplo, têm equipes cada vez mais enxutas e projetos sempre maiores. A equação não bate e um dos resultados disso é o estresse”, explica Cavalcante. 

Em tempo: 


Anderson Cavalcante é administrador de empresas, especializado em Marketing e MBC pela University of Florida. Autor do beste-seller “O que Realmente Importa?” – Editora Gente, onde convida o leitor a fazer algumas reflexões como: você tem respeitado seus valores? Tem seguido as diretrizes que estabeleceu para sua vida? Tem respeitado sua visão de futuro, sua missão? Seu líder ou gestor tem se concentrado no que realmente importa para você? 

Fica aqui a dica!

Comentários